Imprensa livre e independente
13 de junho de 2019, 15h51

IPHAN rebate denúncias de descaracterização do curso de Mestrado

“Não há definição neste primeiro momento de mudança do local da sede do mestrado, que atualmente está no Rio de Janeiro, para outro estado”, diz nota da autarquia

Foto: Divulgação/IPHAN
A direção do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) rebateu, por meio de nota, denúncias de alunos e professores de que as mudanças que serão efetuadas no Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural prejudicarão a eficiência do curso. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo. Veja abaixo a íntegra da nota: O Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural, do IPHAN, teve início em 2004 como um Programa de Especialização do Patrimônio. Hoje é reconhecido em todo o país como um dos principais programas de formação e capacitação...

A direção do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) rebateu, por meio de nota, denúncias de alunos e professores de que as mudanças que serão efetuadas no Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural prejudicarão a eficiência do curso.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Veja abaixo a íntegra da nota:

O Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural, do IPHAN, teve início em 2004 como um Programa de Especialização do Patrimônio. Hoje é reconhecido em todo o país como um dos principais programas de formação e capacitação nesta área. O Mestrado contribui enormemente para a produção de conhecimento sobre o Patrimônio Cultural e para a formação de profissionais preparados e qualificados para trabalhar com o tema.

O Mestrado está integrado ao Centro Lucio Costa (CLC) que nasceu em 2010 como um Centro de Categoria II sob os auspícios da UNESCO com o propósito de trabalhar a gestão do Patrimônio Cultural e Natural de 17 países de língua portuguesa e espanhola da América Latina, África e Ásia. Atualmente, além desta linha de atuação, o CLC passou a ser uma Unidade Especial do IPHAN, responsável pela implantação de uma Escola de Governo e, também, pela condução do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural, com o compromisso de continuar sua trajetória de grande sucesso.

Veja também:  Tábata Amaral pode ser expulsa do PDT

Tendo em vista que a diretora do Centro Lucio Costa, servidora efetiva do IPHAN, pediu exoneração do cargo há cerca de um mês, a Direção do IPHAN designou outro servidor efetivo de seu quadro para a direção do CLC, tendo como desafio uma maior eficácia organizacional, agenciar um redesenho administrativo, com o intuito de fomentar e revitalizar as áreas de sua atribuição.

Nesse novo formato, será mantida a atuação institucional do Centro Lucio Costa com foco em três eixos: a formação de servidores por meio de sua permanente capacitação; o fomento e desenvolvimento de pesquisas aplicadas; e a condução do Centro Regional de Formação em Gestão do Patrimônio da UNESCO. Contudo, as demais atividades necessitam desse novo olhar. Por isso, tiveram início os esforços para transformar o CLC em Escola de Governo, que priorizará a pesquisa aplicada voltada para a missão institucional da autarquia.

Não há definição neste primeiro momento de mudança do local da sede do mestrado, que atualmente está no Rio de Janeiro, para outro estado. Para concluir, informamos que o Mestrado continua com os mesmos procedimentos e critérios de receber alunos servidores e não servidores, tanto que há uma seleção de novos alunos em curso e em nada foi alterada.

Veja também:  Boulos: Decisão de Toffoli mostra que Bolsonaro pode conseguir o que quer "sem precisar do cabo e do soldado"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum