Colunistas

31 de outubro de 2018, 15h38

Irmã de Marielle, Anielle Franco vai discutir direitos humanos com presidente francês

Ana Prestes, em nova coluna, revela que Anielle participou da Cúpula Mundial de Defensores dos Direitos Humanos em Paris, ocasião em que recebeu o convite para se encontrar com Emmanuel Macron

– As opiniões de Paulo Guedes sobre o Mercosul repercutiram ao longo de toda a terça (30) no Brasil e no mundo. Em especial, entre os países membros do bloco. O atual chanceler brasileiro, Aloysio Nunes, também se pronunciou sobre o tema com artigo no Estadão, defendendo que quem “ideologizou” o bloco foi o PT e que o Governo Temer recolocou o Mercosul no eixo certo.

– Em entrevista nesta manhã de quarta (31) à CBN, o general Augusto Heleno, provável futuro Ministro da Defesa do Governo JB, disse que um dos grandes desafios da pasta será o combate ao narcotráfico na região de fronteiras e que o Brasil não vai promover ingerência sobre assuntos internos da Venezuela, apesar de “torcer” para que o país mude de rumo político.

– O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, deve comparecer à cerimônia de posse de JB como presidente da República em 1º de janeiro de 2019. Se ele vier, será a primeira visita de um chefe de governo israelense ao Brasil desde a criação do Estado de Israel, em 1948. Segundo a imprensa, a intenção de vir à posse foi comunicada pelo próprio Netanyahu a JB durante conversa telefônica na segunda-feira (29).

Veja também:  Glauber Rocha não pousará no aeroporto que leva seu nome

– A OTAN iniciou há poucos dias manobras militares (“Triden Juncuture”) que têm sido consideradas “as maiores desde o fim da Guerra Fria”. Foram mobilizados 50 mil soldados, 65 navios e 250 aviões de 31 países em uma área disputada com a Rússia no Ártico. Trata-se da recuperação de uma área de soberania da Noruega, segundo o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg. A relação entre OTAN e Rússia está estremecida desde a incorporação da Criméia.

– Diante da ofensiva da OTAN, a Rússia declarou na terça (30) que vai testar esta semana mísseis em frente à Noruega, na mesma área em que a OTAN conduz as manobras militares denominadas “Trident Juncture 2018”. Fontes da diplomacia russa afirmaram que “apesar das tentativas um tanto desajeitadas dos representantes da OTAN e seus estados-membros de apresentar essa atividade militar como defensiva, está claro que essa demonstração de força é de natureza anti-russa”, segundo matéria da France Presse.

– Continua a pressão sobre a Arábia Saudita para o esclarecimento do caso do desaparecimento e morte do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul, capital da Turquia. Cada vez mais aparecem elementos de que o assassinato pode ter sido motivado por questões referentes à guerra no Iêmen, instaurada pela Arábia Saudita desde 2015. Segundo o Washington Post, Khashoggi reunia provas sobre o uso de armas químicas pela Arábia Saudita nos ataques ao Iêmen.

Veja também:  Glauber Rocha x Bolsonaro: o dragão da maldade contra o Santo Guerreiro

– Segundo entrevista concedida na terça (30), o presidente Trump quer abolir, através de uma ordem executiva, o direito à cidadania concedido a todos os que nascem nos EUA, ms são filhos de imigrantes. O anúncio foi feito em momento de efervescência política no país, às vésperas das eleições legislativas de 6 de novembro. A mudança pretendida por Trump exige, no entanto, mudança constitucional.

– Anielle Franco, irmã de Marielle Franco, participou nesta segunda (29) da Cúpula Mundial de Defensores dos Direitos Humanos em Paris e recebeu convite para se reunir com o presidente francês, Emmanuel Macron, no palácio do Eliseu.

– O encontro do qual Anielle participou ocorreu no Espaço Niemayer, na sede do Partido Comunista Francês. O prédio foi projetado por Niemayer nos anos 60 do século passado, em tempos de ditadura no Brasil. O encontro reuniu ativistas por direitos humanos de todo o mundo, 20 anos após a declaração das Nações Unidas sobre os defensores de direitos humanos, que discutiram qual o caminho para seguir nas próximas décadas, em um momento de ascensão de líderes autoritários em várias partes do mundo. A eleição de JB no Brasil foi um dos temas debatidos. Segundo a Anistia Internacional, em 2017 foram assassinados 312 defensores de direitos humanos em todo o mundo. Para 2018, é esperado um número ainda maior, especialmente em países como México, Colômbia, Brasil, Filipinas, Guatemala e Honduras.

Veja também:  Bolsonaro volta a criticar Inpe por dados sobre desmatamento: "propaganda negativa"

– Chefe da CEPAL, Alicia Bárcena, alertou nesta segunda (29), em Conferência no México, que há um abismo de renda se aprofundando em países centro-americanos, como Belize, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá. Cerca de 600 mil jovens buscam emprego nessa região, para aproximadamente 250 mil vagas existentes.

– Está programada para hoje, 31 de outubro, a votação na ONU contra o Bloqueio Econômico à Cuba. Ontem (30), o chanceler cubano Bruno Rodríguez disse que o governo dos EUA tem tentado criar maiores tensões e colocar obstáculos à votação.

– Há um comentário mundial de que pode estar chegando ao fim a era Merkel na Alemanha, que já dura 13 anos.