Imprensa livre e independente
15 de março de 2019, 20h29

“Jamais vi o Brasil protagonizar uma cena tão triste”, diz jornalista que cobre ONU há 20 anos

O jornalista Jamil Chade, correspondente há mais de duas décadas na Europa, é o autor do vídeo que mostra a embaixadora brasileira se retirando de uma reunião da ONU após atacar e se recusar a debater com Jean Wyllys

Foto: Reprodução
Jamil Chade, correspondente do jornal Estadão, afirmou na tarde desta sexta-feira (15), através do Twitter, que nunca viu “o Brasil protagonizar uma cena tão triste como a que a embaixadora do governo Bolsonaro promoveu hoje”. “Em 20 anos cobrindo a ONU, jamais vi o Brasil protagonizar uma cena tão triste como a que a embaixadora do governo Bolsonaro promoveu hoje. O Itamaraty, contaminado por um vírus extremamente perigoso: o da intolerância”, tuitou. O comentário veio depois que ele divulgou um vídeo que mostra a diplomata brasileira, Maria Nazareth Farani Azevedo, batendo boca com Jean Wyllys em uma reunião da Organização das Nações...

Jamil Chade, correspondente do jornal Estadão, afirmou na tarde desta sexta-feira (15), através do Twitter, que nunca viu “o Brasil protagonizar uma cena tão triste como a que a embaixadora do governo Bolsonaro promoveu hoje”.

“Em 20 anos cobrindo a ONU, jamais vi o Brasil protagonizar uma cena tão triste como a que a embaixadora do governo Bolsonaro promoveu hoje. O Itamaraty, contaminado por um vírus extremamente perigoso: o da intolerância”, tuitou.

O comentário veio depois que ele divulgou um vídeo que mostra a diplomata brasileira, Maria Nazareth Farani Azevedo, batendo boca com Jean Wyllys em uma reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra (Suíça). Farani criticou o ex-deputado, se recusou a ouvir a resposta e, em um gesto pouco comum entre diplomatas, deixou a sala.

“Senhora embaixadora, ouça a minha resposta. (…) O fato da senhora ter saído do seu lugar e vir com discurso pronto para essa sala é sintoma mesmo de que minha presença aqui amedronta a senhora e o seu governo, que não tem compromisso com a democracia”, dizia Wyllys enquanto a embaixadora se levantava e dizia que o ex-parlamentar é motivo de “vergonha”.

Veja também:  Vaza Jato: Site porta-voz do Moro diz que "hacker" vai ser preso nas próximas horas

Jean Wyllys terminou sua intervenção sob aplausos dos presentes, já na ausência de Farani.

Repórter na Europa há mais de vinte anos, o jornalista Jamil Chade, no final da tarde, voltou a falar sobre o ocorrido. “Quando Monica Benício falou na ONU, a embaixadora do Brasil não esteve. Quando Indigenas falaram na ONU, tampouco. Quando vítimas de barragens foram à entidade, ela também não estava lá, nem quando falaram defensores de direitos humanos. Por que ela apareceu hoje?”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum