Imprensa livre e independente
29 de janeiro de 2019, 15h54

Jean Wyllys acusa Estado de omissão em texto de renúncia publicado no Diário Oficial

“Mesmo diante da medida cautelar que me foi concedida pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos, da OEA, reconhecendo que estou sob risco eminente de morte, o Estado brasileiro se calou”, escreveu o deputado do PSOL

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil A renúncia de Jean Wyllys (PSOL) ao mandato de deputado federal para o qual foi eleito pela terceira vez pelo estado do Rio de Janeiro foi publicada nesta terça-feira (29), no Diário Oficial da Câmara dos Deputados. Wyllys desistiu de tomar posse ao lado dos demais parlamentares eleitos, no próximo dia 1º de fevereiro, em razão das ameaças de morte que vem sofrendo. A edição traz a comunicação de Jean Wyllys ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de que não tomará posse do mandato, decisão “irretratável”, segundo ele. Também foi publicada a carta à Executiva do...

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A renúncia de Jean Wyllys (PSOL) ao mandato de deputado federal para o qual foi eleito pela terceira vez pelo estado do Rio de Janeiro foi publicada nesta terça-feira (29), no Diário Oficial da Câmara dos Deputados. Wyllys desistiu de tomar posse ao lado dos demais parlamentares eleitos, no próximo dia 1º de fevereiro, em razão das ameaças de morte que vem sofrendo.

A edição traz a comunicação de Jean Wyllys ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de que não tomará posse do mandato, decisão “irretratável”, segundo ele. Também foi publicada a carta à Executiva do PSOL, em que Wyllys anuncia a desistência e acusa o Estado brasileiro de omissão.

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

“Mesmo diante da medida cautelar que me foi concedida pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos, da OEA, reconhecendo que estou sob risco eminente de morte, o Estado brasileiro se calou. No recurso, não chegou a dizer que sofro preconceito, e colocaram a palavra homofobia entre aspas, como se a homofobia que mata centenas de LGBTs no Brasil por ano fosse uma invenção minha. Da Polícia Federal brasileira, para os inúmeros protocolos de denúncias que fiz, recebi o silêncio”, diz o documento.

Veja também:  Tribunal mineiro condena Vale por tragédia de Brumadinho

Rodrigo Maia, em seu despacho, determina que se publique a íntegra do pedido encaminhado por Jean Wyllys e que se convoque o suplente. O vereador David Miranda, também ativista da causa LGBT, assumirá a vaga.

Em novembro do ano passado, a Organização dos Estados Americanos (OEA) exigiu que o governo brasileiro garantisse a segurança de Jean Wyllys. Ele já andava com escolta policial desde a morte da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ). Mas, em entrevista concedida à Folha de S.Paulo, Wyllys, que já deixou o país e está na Espanha, disse não se sentir seguro.

Milícias

Ao jornal, ele destacou a divulgação da proximidade do senador Flávio Bolsonaro (PSL), também eleito pelo Rio de Janeiro e filho do presidente Jair Bolsonaro, com integrantes de milícias. Disse ainda que o próprio Bolsonaro sempre o difamou, insultou e citou o assassinato de sua colega de partido, a vereadora Marielle Franco, como um divisor de águas.

Após Jean Wyllys anunciar que não assumiria o mandato, o Ministério da Justiça informou que um dos autores das ameaças contra ele foi preso em 2018. Marcelo Valle Siqueira Melo foi condenado pelos crimes de terrorismo, racismo e divulgação de imagens com pedofilia. O ministério disse ainda que abriu inquéritos em 2017 e 2018 para investigar ameaças contra Wyllys e que a acusação de omissão não corresponde à realidade.

Veja também:  The Guardian: Nova geração de exilados políticos deixa o Brasil de Bolsonaro 'para se manter vivo'

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum