Imprensa livre e independente
11 de fevereiro de 2019, 11h46

Jornal evangélico americano comemora, com Damares e Bolsonaro, acesso de religiosos a tribos isoladas

Segundo o The Christian Post, a política de acesso a tribos isoladas deve mudar sob Jair Bolsonaro e sua ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos, a pastora Damares Alves.

O jornal evangélico norte-americano The Christian Post, com sede em Washington, defendeu o missionário Steve Campbell, investigado pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e pelo Ministério Público Federal (MPF) por suspeita de entrar na terra indígena isolada Hi-Merimã. Em matéria deste domingo (10), a publicação online cita o coordenador-geral de Índios Isolados e Recém-Contatados da Funai, Bruno Pereira, afirmando que ele tem uma visão “dura” sobre o trabalho de Campbell e a atividade missionária em geral. A reportagem expressa esperança de que a política de acesso a tribos isoladas mudará sob Jair Bolsonaro e sua ministra da Família, Mulher e...

O jornal evangélico norte-americano The Christian Post, com sede em Washington, defendeu o missionário Steve Campbell, investigado pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e pelo Ministério Público Federal (MPF) por suspeita de entrar na terra indígena isolada Hi-Merimã.

Em matéria deste domingo (10), a publicação online cita o coordenador-geral de Índios Isolados e Recém-Contatados da Funai, Bruno Pereira, afirmando que ele tem uma visão “dura” sobre o trabalho de Campbell e a atividade missionária em geral. A reportagem expressa esperança de que a política de acesso a tribos isoladas mudará sob Jair Bolsonaro e sua ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos, a pastora Damares Alves.

Segundo o The Christian Post, “Campbell e sua esposa estão baseados em Rondônia e trabalham com os índios Jamamadi no estado do Amazonas. Ele vive com os Jamamadis desde 1963, quando chegou à região ainda criança trazido pelos pais, afiliados à Wycliffe Global Alliance [organização dedicada à tradução da Bíblia]”.

O jornal afirma que Campbell se reporta à Baptist Bible Fellowship International (BBFI), organização conservadora fundada em 1950, e cita a Igreja Batista Greene, no Maine, como uma de suas igrejas parceiras. Citando reportagem da Folha de S.Paulo em janeiro, o veículo diz que o missionário entrou na área da tribo Hi-Merimã “por acidente”, enquanto ensinava aos Jamamadi como usar o GPS.

Veja também:  Olavo: militares queriam usar Bolsonaro como instrumento transitório para instalação de um governo "chavista"

“Bruno Pereira, que coordena as pesquisas da Funai sobre grupos isolados na região, tem uma visão dura das atividades de Campbell (e de outros missionários)”, prossegue a matéria.

O representante da Funai afirmou à Folha que, se ficar provado que Campbell tinha interesse em estabelecer contato e usou seu relacionamento com os Jamamadi para se aproximar da tribo isolada, ele pode ser acusado pelo crime de genocídio por expor a segurança e a vida da tribo dos merimã. Pereira ressaltou que o sistema imunológico dos indígenas não está preparado para doenças como um resfriado simples ou conjuntivite. Ele também destacou que o direito à autodeterminação dos povos isolados deve ser respeitado.

Mudanças

A política da Funai de proteção aos povos isolados, contudo, pode mudar sob Bolsonaro e Damares, comemora o The Christian Post. Bolsonaro é descrito como “um conservador algumas vezes comparado ao presidente Trump”. “Criado católico, ele e a família frequentaram regularmente uma igreja batista no Rio de Janeiro”.

Segundo a publicação, “Bolsonaro disse que haverá mudanças na política atual de não contatar índios isolados. Ele enfureceu protecionistas ao indicar uma antropóloga e pastora evangélica, Damares Alves, para um cargo recém-criado: ministra das Mulheres, Família e Direitos Humanos – sob cuja supervisão estarão os cerca de 900.000 indígenas do país”.

Veja também:  Criticados por Moro, #TontosdoMBL têm ato marcado em defesa do ex-juiz no dia 30

O perfil de Damares publicado na página do ministério refere-se a ela como “educadora, advogada, parlamentar e defensora dos direitos humanos”, sem especificar quando ou em quais instituições a ministra se formou. Não há qualquer referência a uma formação em antropologia. No entanto, segundo o The Christian Post, ela é “uma antropóloga, que por acaso também é pastora evangélica”.

A publicação informa ainda que Damares adotou uma criança indígena – a regularidade da adoção de Lulu Kamayurá foi questionada em reportagem da revista Época – e que foi uma das fundadoras da organização Atini – Voz pela Vida, “um grupo que combate o infanticídio de crianças deficientes e indesejadas, ainda praticado em algumas comunidades indígenas”.

Em 2015, o Ministério Púbico Federal no Distrito Federal entrou com uma ação contra a fundação por “dano moral coletivo decorrente de manifestações de caráter discriminatório à comunidade indígena”, em função da divulgação de um filme sobre infanticídio indígena.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum