Imprensa livre e independente
07 de julho de 2019, 15h25

Leda Nagle apoia a ideia de Bolsonaro sobre trabalho infantil

Apresentadora teve destaque e liberdade durante os governos do PT quando apresentava o Sem Censura

O presidente da República Jair Bolsonaro defendeu que crianças trabalhem desde cedo em uma transmissão ao vivo em suas redes sociais durante esta semana. Ele deu seu exemplo dizendo que trabalhou desde os nove anos de idade e que isso nada atrapalhou na sua formação. Quem também embarcou nessa proposta foi a jornalista Leda Nagle, que neste domingo (7), contou que também trabalhou quando criança. “Eu comecei a trabalhar aos 10 anos no Armazém Mineiro , nosso armazém meu, do meu pai da minha mãe. Nós três trabalhamos juntos sempre. Eu ia pro Instituto Santos Anjos onde fui uma das...

O presidente da República Jair Bolsonaro defendeu que crianças trabalhem desde cedo em uma transmissão ao vivo em suas redes sociais durante esta semana. Ele deu seu exemplo dizendo que trabalhou desde os nove anos de idade e que isso nada atrapalhou na sua formação. Quem também embarcou nessa proposta foi a jornalista Leda Nagle, que neste domingo (7), contou que também trabalhou quando criança.

“Eu comecei a trabalhar aos 10 anos no Armazém Mineiro , nosso armazém meu, do meu pai da minha mãe. Nós três trabalhamos juntos sempre. Eu ia pro Instituto Santos Anjos onde fui uma das suas melhores alunas e uma coisa nunca atrapalhou a outra”, escreveu a apresentadora em sua conta no Twitter.

O comentário foi feito em cima de um post feito pelo juiz federal Marcelo Bretas, que dizia ter começado a trabalhar ainda quando tinha 12 anos de idade. A publicação de Nagle repercutiu bastante entre os internautas que lembraram que poder trabalhar em uma empresa familiar não condiz com a realidade da maioria das crianças brasileiras que se submetem a trabalhar antes dos 18 anos.

Veja também:  Rompimento de barragem no interior da Bahia deixou 150 famílias desabrigadas e afetou outras 500

Leda Nagle passou anos sendo uma das estrelas da grade de programação da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC). Ela comandava o programa vespertino de entrevistas Sem Censuras, mas foi demitida em 2017 durante a gestão do governo Michel Temer, quando a direção da empresa foi mudada.

“Confesso que preferia ficar calada neste momento. Recolhida, lambendo minhas feridas, me reorganizando, repensando a vida com o coração e a razão, mas, ao mesmo tempo, me sinto na obrigação de esclarecer esta situação que me surpreendeu ontem e que ainda não posso dizer, sinceramente, que assimilei ou degluti”, declarou a jornalista nas redes sociais à época.

O programa Sem Censura foi encerrado no início deste ano, já no governo Bolsonaro. O programa estava no ar há 34 anos.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum