Imprensa livre e independente
06 de fevereiro de 2019, 18h38

Léo Pinheiro se transforma em duas pessoas na nova sentença contra Lula

Juíza que substitui Sérgio Moro e que condenou Lula no caso do sítio de Atibaia citou, em sua sentença, "o depoimentos de Léo Pinheiro e José Aldemário", sendo que os dois nomes se referem a mesma pessoa

Leo Pinheiro (Reprodução)
A sentença proferida nesta quarta-feira (6) pela juíza federal Gabriela Hardt, que substituiu Sérgio Moro na Lava Jato de Curitiba, contra o ex-presidente Lula, contém uma gafe. Além de ser quase toda baseada em delações premiadas e com carência de provas materiais e documentais, a decisão cita “depoimentos” que incriminariam o petista e chega a transformar um delator em dois. Em um determinado trecho da sentença, Hardt escreveu: “Embora a defesa de Luiz Inácio Lula da Silva tente diminuir a credibilidade dos depoimentos prestados por colaboradores e pelos co-réus Léo Pinheiro e José Aldemário, é fato que tais depoimentos são corroborados...

A sentença proferida nesta quarta-feira (6) pela juíza federal Gabriela Hardt, que substituiu Sérgio Moro na Lava Jato de Curitiba, contra o ex-presidente Lula, contém uma gafe. Além de ser quase toda baseada em delações premiadas e com carência de provas materiais e documentais, a decisão cita “depoimentos” que incriminariam o petista e chega a transformar um delator em dois.

Em um determinado trecho da sentença, Hardt escreveu: “Embora a defesa de Luiz Inácio Lula da Silva tente diminuir a credibilidade dos depoimentos prestados por colaboradores e pelos co-réus Léo Pinheiro e José Aldemário, é fato que tais depoimentos são corroborados por relatórios de auditoria e diversos outros documentos e depoimentos anexados neste e em autos correlatos”, como se Léo Pinheiro não fosse o apelido de José Aldemário Pinheiro Filho, ex-executivo da OAS que ganhou benefícios da Justiça após mudar seu depoimento para incriminar Lula.

Juíza transformou o delator de Lula em duas pessoas na sentença contra o ex-presidente (Reprodução)

De acordo com o Ministério Público Federal, Lula teria recebido R$ 1 milhão em propinas da Odebrecht, OAS e Schahin em forma de reformas em uma propriedade rural em Atibaia, no interior de São Paulo, que está em nome de Fernando Bittar. Para a força-tarefa da Lava Jato, as reformas teriam sido feitas para adequar o sítio às necessidades de Lula, que frequentava o local com sua família.

Veja também:  Em entrevista, Mourão afirma que "sempre houve homossexualidade no Exército" e defende ditadura militar

As reformas, segundo os procuradores, teriam sido feitas como contrapartida a benefícios concedidos por Lula às empreiteiras em contratos com estatais.

“É fato que a família do ex-presidente Lula era frequentadora assídua no imóvel, bem como que usufruiu dele como se dona fosse. Inclusive, em 2014, Fernando Bittar alegou que sua família já não o frequentava com assiduidade, sendo este usado mais pela família de Lula”, escreveu a juíza.

A sentença foi proferida na primeira instância da Justiça e ainda cabe recurso.

Confira a íntegra da decisão aqui.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum