Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de janeiro de 2020, 16h33

Ativista LGBT relata agressões feitas por PM em Recife

Eliseu Neto e o namorado foram expulsos de carro de aplicativo e agredidos pela PM

Carro de aplicativo e policial fotografados por Eliseu Neto | Reprodução/Twitter/Eliseu Neto

O professor universitário Eliseu Neto, ativista LGBT e assessor parlamentar do Cidadania no Senado, relatou em suas redes sociais um caso de LGBTfobia sofrido por ele e seu namorado, Ygor Higino, em Recife (PE). O casal foi expulso de um carro de aplicativo e, em seguida, foi vítima de agressões por parte da Polícia Militar de Pernambuco na noite de sexta-feira (4).

O caso aconteceu na noite desta sexta-feira (3) e foi denunciado pelo professor em seu Twitter, ganhando grande repercussão nas redes. “Estávamos dentro do (99)e o motorista do aplicativo nos mandou descer, que não queria “aquilo” dentro do carro. Quando eu fui tirar foto da placa do carro para reportar ao aplicativo/empresa o motorista disse que chamaria a polícia, pois a havia uma viatura em frente”, detalhou em postagem feita neste sábado.

“De forma surreal o policial chegou já agressivo. Pedi que ele se acalmasse e se identifica-se. A resposta foi um empurrão. Levantei e disse que ele não poderia tratar NINGUÉM daquela forma. Fui empurrado novamente. Foi uma cena surreal”, disse ainda.

Devido à repercussão, o aplicativo 99 se posicionou criticando a atitude do motorista. “Nossos serviços são voltados para todes as pessoas, independente de raça, gênero, cor, etnia, religião, nacionalidade, orientação sexual ou classe social. A atitude do motorista não foi de acordo com nossas diretrizes”, disse a empresa.

Eliseu ainda cobrou um posicionamento do PSB, que governa Pernambuco. “É inacreditável estar de férias e sofrer lgbtfobia da PM do PSB. Vou aguardar realmente uma posição”, disse.

O professor, que teve papel importante na criminalização da LGBTfobia no Brasil através do STF, ainda comentou sobre o episódio de transfobia ocorrido em Maceió. “Enquanto eu era agredido por um policial aqui em Recife, uma jovem trans é discriminada em Maceio. Segue fundamental nossa luta para fazer valer a nosso vitória no STF. Como eu disse hoje ao repórter, o CUMPRAM-SE deve ser nosso foco de luta”, publicou.

A jornalista Rachel Sheherazade compartilhou a histórica. “Vamos retuitar o carro com placas PCR 1446. prestem queixa na Delegacia mais próxima. consigam testemunhas. Homofobia é crime – inafiançável e imprescritível. e isso vale para civis e militares também!”, disse.

Confira alguns dos tuítes feitos por Eliseu Neto sobre o caso:


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum