Fórumcast, o podcast da Fórum
26 de abril de 2019, 15h52

Câmara de Comércio e Turismo LGBT rebate Bolsonaro: setor movimentou US$ 218 bilhões

Em nota, a entidade diz que repudia “o preconceito e considera o turismo uma atividade lucrativa, que promove o emprego, melhora a imagem do País no exterior e reafirma o compromisso brasileiro com a defesa dos direitos igualitários”

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil resolveu rebater às declarações de Jair Bolsonaro, que atacou o público LGBT ao afirmar que “o Brasil não pode ser um país do mundo gay, de turismo gay. Temos famílias”.

A entidade divulgou uma nota de repúdio e ressaltou que, somente em 2018, o turismo LGBT movimentou US$ 218,7 bilhões.

Carta aberta à sociedade

Em resposta à informação publicada pela imprensa brasileira, contendo a frase “Quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. Agora, não pode ficar conhecido como paraíso do mundo gay aqui dentro”, sendo atribuída ao Presidente da República, a Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil vem a público esclarecer:

O Turismo LGBT movimentou US$ 218,7 bilhões em 2018, segundo dados da pesquisa LGBT Travel Market, promovido anualmente pela Consultoria Out Now/WTM.

Países como Israel, Espanha, França, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Grã-Bretanha, Argentina e Uruguai, entre tantos outros, realizam investimentos constantes no Turismo LGBT como forma de aquecimento dos negócios, bem como afirmação e respeito à cidadania.

A fala apresentada traz em si uma falta grave relacionada ao conceito de Turismo LGBT, que não promove o turismo sexual. Ao dizer que “Quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade”, o autor da frase sugere que o Governo incentivará o turismo sexual em território brasileiro, o que não é aceitável do ponto de vista moral e ético.

A Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil e a população LGBTI+ do País repudiam o preconceito e consideram o turismo uma atividade lucrativa, que promove o emprego, melhora a imagem do País no exterior e reafirma o compromisso brasileiro com a defesa dos direitos igualitários.

Combater a visita da comunidade LGBTI+ ao Brasil, além de ser um grave ataque aos direitos universais, impediria a entrada de USD26,8 bilhões na economia brasileira (pesquisa OUT/WTM 2018), colaborando com o desemprego e minando as relações internacionais brasileiras com países que valorizam a democracia e o fim do preconceito.

A Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil, entidade que defende e promove o empreendedorismo, a empregabilidade e o turismo de e para a comunidade LGBTI+ no Brasil, reafirma seu compromisso com a geração de renda e o combate à crise econômica e institucional no País. Reafirmamos nosso compromisso com o Turismo LGBT ao confirmar a realização da Conferência Internacional da Diversidade e Turismo LGBT (de 25 a 28 de agosto de 2019 na cidade de São Paulo), bem como com a continuidade das atividades assumidas com a sociedade, inclusive com o Acordo de Cooperação Técnica firmado entre a Câmara LGBT, a EMBRATUR e o Ministério do Turismo, assinado em maio de 2018 com validade de cinco anos.

Atenciosamente,

Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum