O que o brasileiro pensa?
29 de janeiro de 2020, 20h40

Dia Nacional da Visibilidade Trans: Conheça as conquistas

Data marca dia histórico que se deu no Congresso Nacional, em 2004

Reprodução

Dia 29 de janeiro é o Dia Nacional da Visibilidade de Transexuais e Travestis, comemorado nesta data desde 2004. Neste dia, 27 transexuais e travestis foram ao Congresso Nacional, em Brasília, reivindicar seus direitos.

Já era de se imaginar que nenhuma ação seria feita pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, pasta onde estão as políticas do Governo Federal para minorias, já que esse ministério tem sabotado programas ligados à igualdade racial, diversidade e gênero. Até 2018, todos os governos se pronunciaram a respeito, o que torna o silêncio ainda mais incômodo – e deixa claro o projeto do governo atual.

Para celebrar a data, Fórum selecionou algumas das conquistas que a população trans adquiriu, com luta, nos últimos anos. Confira.

Nome Social

O direito de pessoas trans de serem tratadas pelo nome que escolheram foi legitimado por uma decisão do STF em 2018, que trouxe a possibilidade de alteração do sexo e do nome no registro civil sem autorização judicial. Isso quer dizer que o registro pode ser alterado sem entrar na Justiça e sem a realização de cirurgia de redesignação ou terapias hormonais, antes um requisito para a mudança. Uma conquista histórica, já que gênero não é definido pelo genital.

Cirurgia de Redesignação Sexual pelo SUS

Algumas pessoas T sofrem de disforia corporal e escolhem adequar as características genitais. A cirurgia é realizada pelo SUS desde 2000, mas a fila de espera é de quase dez anos. O Conselho Federal de Medicina divulgou neste mês de janeiro uma resolução que reduziu de 21 para 18 anos a idade mínima para a realização da cirurgia.

Cotas

Travestis e transexuais mulheres podem se beneficiar da cota que estabelece a obrigatoriedade mínima de 30% de candidaturas femininas por partido nas eleições. Há também cotas para que pessoas T acessem a faculdade, mas há o problema de evasão escolar; boa parte dessa população acaba deixando a escola antes de completar o ensino médio.

Avanços e retrocessos 

Apesar dos retrocessos, 2018 foi um ano de algumas vitórias para a população T. Houve um número recorde de candidaturas políticas (mais de 50), dez vezes mais que em 2014. Erica Malunguinho foi a primeira transexual eleita deputada estadual no Brasil, em São Paulo, e mais duas se elegeram por mandatos coletivos: Erika Hilton, pela Bancada Ativista, e Robeyoncé Lima, da Juntas, respectivamente em São Paulo e Pernambuco.

Entre 1 e 24 de janeiro de 2020, 14 assassinatos de transexuais foram registrados no Brasil, que é o país que mais mata transexuais no mundo.

 

Ver essa foto no Instagram

 

quem amem, que contratem, que paguem as travas & pessoas trans tbm. que vcs possam ter o privilégio de nos ter ao seu lado. como parceiras de trabalho, no amor & na luta. na criação & na destruição. assim como tbm na restituição. na dádiva, na dívida & na dúvida. amém. viva todas as identidades trans!! viva @afrotranscendente ! viva @dannalisboa ! viva @neoncunha ! viva @kiarafelippe ! viva @mulhertrans ! viva @venturaprofana ! viva @rainhafavelada ! viva @anagiza ! viva @uriasss ! viva @aliceguel_ ! viva @linikeroficial ! viva @mcdellacroix ! viva @jupdobairro !! & me permitam viver ao seu lado!!! ESTAMOS VIVAS & VIVENDO !! e essas são só algumas das muitas travas que abriram portões & portais no meu caminho. há muitas outras que se fazem presentes & vieram antes de nós. eu sigo suas pegadas. sigam vcs tbm as nossas. caminhem com a gente. estamos vivendo, estamos lutando & estamos ganhando!! e isso não eh o começo & não ta mto longe de ser o fim. o fim do mundo. para que novos mundos possam surgir & que eu possa star lá, através daquelas q ainda virão & de suas memórias.

Uma publicação compartilhada por Linn da Quebrada (@linndaquebrada) em


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum