Pastora que coordena Campanha da Fraternidade com tema LGBT teme pela vida

Em entrevista ao site Metrópoles ela declarou que "não tem vocação para mártir"

A pastora luterana Romi Bencke, que coordena a Campanha da Fraternidade de 2021, cujo tema é “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor”, se tornou alvo de fundamentalistas e teme por sua vida. “Não tenho vocação para mártir”, disse a pastora ao Metrópoles.

Bencke também revelou que mudou a sua rotina, pois, teme por “consequências físicas”. “Levo muito a sério, e não estou me expondo, estou evitando sair de casa”, revela Romi Bencke, que é secretária-executiva do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs.

O lançamento da nova ação da Campanha da Fraternidade está marcado para esta Quarta-Feira de Cinzas (17) e, desde o seu anúncio tem gerado reações dos setores mais conversadores da religião católica, que enxergam nos materiais de divulgação produzidos pelo conselho ecumênico, com a anuência da Conferência Nacional dos Bispos (CNBB), “muita militância e pouca religiosidade”.

O trecho que tem gerado a revolta dos mais conservadores é onde a campanha se coloca contra os atos de ódio dirigidos à população LGBTQI+. Outro ponto que gerou discórdia é a citação do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Ao Metrópoles, a pastora afirmou que o objetivo da campanha é denunciar “a utilização do nome de Jesus para fundamentar uma cultura de ódio”.

“E a gente sabe que boa parte da discriminação contra pessoas LGBTQI+ e também contra as mulheres se vale do discurso religioso cristão para se legitimar. Então, numa campanha sobre diálogo, seria, sim, praticamente impossível não tocar nesses pontos que são tabu”, destaca a pastora luterana Romi Bencke.

Por fim, Bencke atenta para o fato de que, quando líderes religiosos dizem que estão “em uma cruzada santa em que o mal tem de ser eliminado, é claro que alguém que realmente acredita que está numa cruzada santa vai achar que fará uma grande contribuição para a obra de Deus se eliminar o mal”, critica a pastora.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR