PM de Santa Catarina descumpre ordem judicial e não reconhece nome de sargento trans

Priscila Diana já conquistou há um ano o direito de alteração do nome, mas corporação ainda não autorizou a mudança na carteira de identidade militar

A Polícia Militar de Santa Catarina teria descumprido uma ordem judicial que a obrigava a reconhecer o nome social da sargento Priscila Diana, de 43 anos, a primeira mulher trans da corporação no estado.

Segundo informações do Universa, Priscila conquistou há um ano o direito de alteração do nome. Ela já fez a mudança em todos os documentos, mas a PM ainda não autorizou a troca na carteira de identidade militar e internamente no sistema do banco de dados do trabalho.

“Meus documentos continuaram com os mesmos números, mas como a polícia não alterou, são para dois nomes. Em qualquer momento posso ter meu pagamento bloqueado. Quando eu preciso levar meu contracheque para comprar algo, ainda aparece meu nome antigo na checagem dos dados, o que é constrangedor”, relatou ao portal.

Com isso, o Juizado da Fazenda Pública de Florianópolis determinou na quarta-feira (17) o prazo de 15 dias para o Comando da PM catarinense explicar o descumprimento da medida, expedida em 11 de maio de 2020.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR