Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
12 de dezembro de 2019, 21h15

Verônica Oliveira, liderança LGBT, é brutalmente assassinada em Santa Maria (RS)

A ativista foi esfaqueada após recusar fazer programa com um homem que a abordou na rua

Foto: Reprodução

Em mais um crime bárbaro motivado por preconceito e intolerância, estimulados pela narrativa e pelas ações do governo de Jair Bolsonaro, a transexual Verônica Oliveira Webber, de 40 anos, foi brutalmente assassinada, nesta quinta-feira (12), em Santa Marian (RS). Ela acabou não resistindo, depois de ter sido esfaqueada nesta madrugada.

De acordo com o boletim de ocorrência, amigos de Verônica, que estavam no local, disseram que um homem chegou de carro e ofereceu R$ 50,00 para que todas aceitassem fazer programa com ele, de acordo com informações do  Portal GaúchaZH.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Como não aceitaram, o homem chamou somente Verônica para conversar. Quando ela se aproximou do veículo, levou as facadas no tórax. O assassino fugiu e ainda não foi encontrado.

“A vítima, líder do grupo, foi chamada pelo indivíduo, o qual desejava a realização de programa sexual com alguma integrante do grupo. Ela e as demais não concordaram com o valor ofertado. Iniciou-se uma discussão com xingamentos mútuos, envolvendo, sobretudo, o suspeito e a vítima. Em um dado momento, o homem foi até o interior do automóvel, sentou no banco do motorista e tentou esconder uma arma branca (faca ou estoque). Nesta ocasião, mudou repentinamente de comportamento, tendo parado de proferir xingamentos. Quando iniciou a saída do local com o automóvel, desferiu um golpe de arma branca no abdome da vítima, que estava parada na rua”, disse o delegado Gabriel Zanella.

Verônica era uma das líderes do movimento LGBT+ na região e foi madrinha da Parada da Diversidade, que ocorreu na cidade, no início de dezembro. Ela também mantinha no município o Alojamento da Verônica, que há 13 anos acolhe transexuais de outros municípios.

Verônica presente

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), lamentou o crime bárbaro e publicou uma mensagem em sua página no Facebook.

“É com tristeza e indignação que recebo a notícia do assassinato da companheira Verônica Oliveira Webber, administradora do Verônica Alojamento, uma das poucas casas de acolhimento para transexuais do Brasil, localizada no Bairro Urlândia, em Santa Maria.

Infelizmente, o neofascismo brasileiro aflorado com a ascensão do Bolsonarismo faz com que esses crimes de ódio, de natureza homofóbica e transfóbica se tornem cada vez mais frequentes.

Não podemos aceitar este tipo de ato hediondo nem normalizar a violência. O assassinato de Verônica é o terceiro homicídio de transexuais em Santa Maria neste ano e não pode ficar impune”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum