Imprensa livre e independente
24 de junho de 2019, 12h27

Líder chinês exclui Bolsonaro de reunião e dá indício de fim do BRICS

Ao convocar uma reunião trilateral somente com Rússia e Índia, Xi Jinping sinaliza que o que antes se chamava BRICS pode se transformar somente em RIC, devido à submissão, sobretudo do Brasil, ao governo dos Estados Unidos

Putin, Jinping e Modi, durante encontro dos BRICS, em 2018 (Arquivo)
A submissão aos Estados Unidos impulsada pelo governo de Jair Bolsonaro parece já estar dando frutos, ou ao menos é o que se pode supor pelo anúncio desta segunda-feira (24) do governo da China de que aproveitará a reunião do G20 (no Japão, durante o próximo fim de semana) para um encontro trilateral paralelo do seu presidente, Xi Jinping, com os mandatários da Rússia, Vladimir Putin, e da Índia, Narendra Modi. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Por se tratar de uma reunião entre três dos sócios do BRICS,...

A submissão aos Estados Unidos impulsada pelo governo de Jair Bolsonaro parece já estar dando frutos, ou ao menos é o que se pode supor pelo anúncio desta segunda-feira (24) do governo da China de que aproveitará a reunião do G20 (no Japão, durante o próximo fim de semana) para um encontro trilateral paralelo do seu presidente, Xi Jinping, com os mandatários da Rússia, Vladimir Putin, e da Índia, Narendra Modi.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Por se tratar de uma reunião entre três dos sócios do BRICS, chama bastante a atenção a ausência dos outros dois, o brasileiro Jair Bolsonaro e o sul-africano Cyril Ramaphosa, que também estão entre os líderes convidados para o evento que se realizará na cidade japonesa de Osaka.

Embora o vice-ministro chinês de Relações Exteriores, Zhang Jun, que anunciou o encontro trilateral, não tenha comentado sobre a situação dos BRICS, não é nenhum segredo para o mundo que a devoção demonstrada por Bolsonaro a Trump, durante sua recente passagem por Washington, não agradou a Putin e sobretudo a Jinping, em um cenário em que seu país e os Estados Unidos vêm travando uma ríspida guerra comercial.

Veja também:  Future-se: o novo requentado

Por sua parte, a prioridade do Brasil durante o evento em Osaka será organizar junto com a diplomacia argentina, um encontro conjunto de Bolsonaro e Mauricio Macri com o presidente estadunidense Donald Trump – visando fortalecer a relação com o país norte-americano, ao mesmo tempo em que poderia gerar maior distância com o gigante asiático.

A julgar por essas movimentações, o que em algum momento se chama BRICS poderia, muito em breve, se tornar somente RIC.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum