Imprensa livre e independente
14 de março de 2018, 15h30

Luis Felipe Miguel: “Lula e seu legado devem ser julgados pelo eleitorado”

Em sua página no Facebook, o professor da UnB critica o misto de “dogmatismo infantil com ódio irracional” contra o ex-presidente e a Boitempo, editora que lançará livro do Lula

Luis Felipe Miguel: “O livro do Lula é um ato político, o ato de dar a voz a um líder político perseguido. Nem por isso é um panfleto partidário” – Foto: Reprodução/YouTube O professor Luis Felipe Miguel, que vem sofrendo represálias, inclusive do ministro da Educação, Mendonça Filho, por ter criado a disciplina que aborda o golpe de 2016, na Universidade de Brasília (UnB), publicou um texto, em sua página no Facebook, repudiando os ataques sofridos pelo ex-presidente Lula. Acompanhe a íntegra: “Na página da Boitempo, há comentários furiosos contra a publicação do livro do Lula (que será lançado em...

Luis Felipe Miguel: “O livro do Lula é um ato político, o ato de dar a voz a um líder político perseguido. Nem por isso é um panfleto partidário” – Foto: Reprodução/YouTube

O professor Luis Felipe Miguel, que vem sofrendo represálias, inclusive do ministro da Educação, Mendonça Filho, por ter criado a disciplina que aborda o golpe de 2016, na Universidade de Brasília (UnB), publicou um texto, em sua página no Facebook, repudiando os ataques sofridos pelo ex-presidente Lula. Acompanhe a íntegra:

“Na página da Boitempo, há comentários furiosos contra a publicação do livro do Lula (que será lançado em São Paulo na sexta). São minoritários, mas chamam a atenção. Alguns provocadores de direita e outros que se apresentam como sendo a extrema-esquerda. A Boitempo estaria traindo seu compromisso com o marxismo, endossando a conciliação de classes ou mesmo se vendendo ao PT.

Acho difícil entender essa mistura de dogmatismo infantil com ódio irracional contra Lula. A Boitempo sempre publicou autores de um espectro amplo da esquerda – e esse é um de seus méritos. Está publicando Lula como está publicando, por exemplo, Chico de Oliveira, campeão da crítica (pela esquerda) aos governos petistas.

Veja também:  Carlos Bolsonaro usa Pavão Misterioso para provocar Jean Wyllys

O livro do Lula é um ato político, o ato de dar a voz a um líder político perseguido. Nem por isso é um panfleto partidário. Quando Ivana Jinkings me ligou para pedir que escrevesse o prefácio, deixou claro que eu tinha toda a liberdade para fazer o balanço crítico da experiência lulista, discutir suas limitações, indicar seus equívocos. Também é ilusório pensar que a equipe de entrevistadores, pessoas do quilate de Maria Inês Nassif, Gilberto Maringoni, Juca Kfouri e a própria Ivana, se prestaria a ser mera escada para uma propaganda do ex-presidente.

Porque a questão, afinal, não é ser contra ou a favor de Lula. A questão de fundo é essa: Lula e seu legado devem ser julgados pelo eleitorado. Impedi-lo de concorrer por uma decisão judicial viciada é, uma vez mais, golpear a democracia.

Para a editora, seria fácil se omitir; afinal, ninguém estranharia se o livro não fosse publicado. Ela não despertaria a ira dos golpistas no poder, nem dos pretensos radicais frustrados. Ao decidir publicar o livro, neste momento dramático da vida brasileira, a Boitempo mostra a coragem que se espera de uma editora que é de esquerda não só no seu catálogo, mas também em seus compromissos e valores”.

Veja também:  Coordenador da Lava-Jato na PGR deixa posto em protesto contra "lentidão" de Raquel Dodge

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum