Imprensa livre e independente
04 de novembro de 2018, 09h55

Magno Malta pode perder Ministério da Família por acusação de adultério

Pastor pode assumir a pasta de novo ministério criado para atuar em conexão a entidades evangélicas

A vida íntima do pastor evangélico Magno Malta pode levá-lo a perder a vaga de ministro da Família, nova pasta que pode ser criada no governo Bolsonaro. Ela acomodaria Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e outros órgãos que permitiriam uma conexão forte com entidades do campo evangélico e uma atuação ligada a movimentos como o Escola Sem Partido. O senador, que não foi reeleito pelo Espírito Santo, pode ter cometido adultério – violação da regra de fidelidade conjugal imposta aos cônjuges no momento do contrato matrimonial, o que é considerado um pecado grave de acordo com as definições bíblicas –...

A vida íntima do pastor evangélico Magno Malta pode levá-lo a perder a vaga de ministro da Família, nova pasta que pode ser criada no governo Bolsonaro. Ela acomodaria Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e outros órgãos que permitiriam uma conexão forte com entidades do campo evangélico e uma atuação ligada a movimentos como o Escola Sem Partido.

O senador, que não foi reeleito pelo Espírito Santo, pode ter cometido adultério – violação da regra de fidelidade conjugal imposta aos cônjuges no momento do contrato matrimonial, o que é considerado um pecado grave de acordo com as definições bíblicas – quando se separou de Kátia Malta e assumiu romance com Lauriete Rodrigues de Jesus.
De acordo com a revista “Veja”, “assim como Magno, a deputada federal era casada com pastor e também cantor gospel Reginaldo Almeida, de quem se divorciou meses após o anúncio da separação de Magno e Kátia”.

*Com informações da Veja e Catraca Livre.

Veja também:  Guga Chacra sobre Bolsonaro: “apenas rei Saudita nomeou o filho embaixador nos EUA”

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum