Imprensa livre e independente
29 de maio de 2019, 16h49

Malásia vai devolver mais de 3 mil toneladas de lixo ao Reino Unido: “Não somos lixeira”

O material será devolvido em 60 contêineres e, além dos países britânicos, os rejeitos também serão devolvidos para Estados Unidos, Canadá e Austrália; "Mesmo que sejamos um país pequeno, não seremos destratados por países mais desenvolvidos", disse a ministra do Meio Ambiente da Malásia

Foto: Lai Seng Sin/Reprodução
A Malásia decidiu que não quer mais receber lixo de outros países desenvolvidos. O governo local informou nesta semana que vai mandar de volta para o Reino Unido mais de três mil toneladas de plástico descartado. O material será devolvido em 60 contêineres e, além dos países britânicos, os rejeitos também serão devolvidos para Estados Unidos, Canadá e Austrália. “Não somos uma lixeira para países ricos. Mesmo que sejamos um país pequeno, não seremos destratados por países mais desenvolvidos”, declarou a ministra do Meio Ambiente malaio, Yeo Bee Yin. A representante do governo da Malásia também lembrou que o material foi...

A Malásia decidiu que não quer mais receber lixo de outros países desenvolvidos. O governo local informou nesta semana que vai mandar de volta para o Reino Unido mais de três mil toneladas de plástico descartado. O material será devolvido em 60 contêineres e, além dos países britânicos, os rejeitos também serão devolvidos para Estados Unidos, Canadá e Austrália.

“Não somos uma lixeira para países ricos. Mesmo que sejamos um país pequeno, não seremos destratados por países mais desenvolvidos”, declarou a ministra do Meio Ambiente malaio, Yeo Bee Yin. A representante do governo da Malásia também lembrou que o material foi levado até o país de maneira irregular, o que viola a lei ambiental local.

Parte do lixo que é levado para países asiáticos é utilizada para reciclagem, mas nem todo tipo de plástico pode passar por esse processo e tem que ser incinerado. A ação causa a liberação de substâncias tóxicas na atmosfera, contaminando o solo e fontes de água. De acordo com a ministra, um estudo mostrou que uma pessoa morre a cada trinta segundos na Malásia por conta do lixo e poluição que afetam o país. As doenças mais recorrentes seriam a dengue e a malária.

Veja também:  Homenagem a PHA

Países como Gana, Nigéria e Índia também são destinos para onde os rejeitos produzidos por outros países são levados. Segundo levantamento feito pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 2013, nações em desenvolvimento são o destino de 80% do lixo eletrônico produzido no mundo. A situação se agravou nos últimos anos, desde que a China passou a recusar esse tipo de material em seu território.

De acordo com a ONU, em 2016 empresas chinesas e de Hong Kong importaram mais de sete milhões de toneladas de plástico para reciclagem, o que representava quase 70% de todo esse tipo de lixo no mundo. Este comércio movimentou US$ 21,6 bilhões no ano de 2017. Em julho do ano passado, o governo da China proibiu a importação de certos tipos de materiais para a reciclagem. Com isso, países periféricos passaram a receber esses rejeitos.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum