Imprensa livre e independente
14 de julho de 2018, 12h18

MBL entra com arguição no TSE para tirar Lula das eleições no tapetão

O candidato do grupo de extrema direita, Flávio Rocha, que nunca passou de 1% das intenções de votos, desistiu da sua candidatura nesta sexta-feira

De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, o grupo de extrema direita, MBL (Movimento Brasil Livre), apresentou na quinta (12) ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) alegação pedindo que a corte considere desde já o ex-presidente Lula inelegível. Os coordenadores do movimento, Rubens Gatti Nunes e Kim Kataguiri, querem que o TSE proíba Lula de participar de qualquer ato de campanha, bem como de arrecadar recursos e aparecer em programas eleitorais de TV. O MBL solicita ainda que o tribunal proíba institutos de pesquisa de incluírem Lula nos questionários de sondagens eleitorais. O ex-presidente lidera todas os levantamentos feitos...

De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, o grupo de extrema direita, MBL (Movimento Brasil Livre), apresentou na quinta (12) ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) alegação pedindo que a corte considere desde já o ex-presidente Lula inelegível.

Os coordenadores do movimento, Rubens Gatti Nunes e Kim Kataguiri, querem que o TSE proíba Lula de participar de qualquer ato de campanha, bem como de arrecadar recursos e aparecer em programas eleitorais de TV.

O MBL solicita ainda que o tribunal proíba institutos de pesquisa de incluírem Lula nos questionários de sondagens eleitorais. O ex-presidente lidera todas os levantamentos feitos até agora.

O candidato do MBL, o empresário Flávio Rocha, que nunca passou de 1% das intenções de votos em nenhuma das pesquisas realizadas, desistiu da candidatura nesta sexta-feira (13).

“É certo que a eventual possibilidade de candidatura do requerido (Lula) gera severa insegurança jurídica à sociedade brasileira”, afirmam.

Os advogados de Lula afirmam que os integrantes não têm “legitimidade ativa” para entrar com a arguição e que não pode haver possibilidade de impugnação de registro de candidatura “sem que haja formalização de pedido de registro”.

Veja também:  Festa de aniversário de Eduardo Bolsonaro tem decoração infantil e temática com “minions”

“Antes de tudo é preciso dizer que o ex-presidente Lula está no pleno gozo dos direitos políticos. O reconhecimento de eventual inelegibilidade só pode ser realizado pelo TSE depois que o ex-presidente formalizar o pedido de registro”, diz a defesa.

O caso pode ser julgado pela ministra Rosa Weber, que está de plantão no recesso judicial.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum