CASO BRUNO E DOM

Polícia Federal revela mandante dos assassinatos de Bruno Pereira e Dom Phillips

Além do mandante, há o anúncio da descoberta de mais nomes envolvidos no crime que chocou e alertou o mundo sobre a situação da Amazônia sob o governo Bolsonaro

Dom Phillips (esq) e Bruno Pereira (dir).Polícia Federal revela mandante dos assassinatos de Bruno Pereira e Dom PhillipsCréditos: Reprodução/Redes Sociais
Escrito en MEIO AMBIENTE el

A Polícia Federal confirmou, por meio de Alexandre Fontes, seu superintendente no Amazonas, a identidade do mandante dos assassinatos do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Pereira, ocorridos em junho do ano passado, no Vale do Javari. Trata-se de Rubens Villar Coelho, mais conhecido na região como ‘Colômbia’.

O mandante está preso desde dezembro do ano passado. Ele havia sido preso anteriormente, logo após os assassinatos de Bruno e Dom, mas acabou solto em outubro mediante pagamento de R$ 15 mil de fiança. Sua prisão foi novamente decretada pela Justiça Federal por violações das condições de liberdade provisória estipuladas no ato da soltura.

Fontes afirma que não há dúvidas de que Colômbia não apenas seria o mandante do crime como forneceu munição para sua execução por Jefferson da Silva Lima, o 'Pelado da Dinha', e Amarildo da Costa Oliveira, o 'Pelado'. Segundo o superintendente da PF, Colômbia ainda teria arcado com as despesas do advogado de Amarildo.

Além de Colômbia, a PF apontou novos nomes envolvidos no crime que chocou e abriu os olhos do mundo para a situação da Amazônia sob Bolsonaro, que ganhou novos episódios nos últimos dias com a divulgação das mortes por subnutrição de indígenas Yanomami de Roraima. Mas voltando ao caso Bruno e Dom, há mais seis indiciamentos dos quais Alexandre Fontes não deu maiores detalhes.

“Foi encaminhado um relatório à Justiça Federal com mais seis indiciamentos. Tínhamos anteriormente três nomes. Identificamos ainda o irmão do Amarildo, que forneceu a arma de fogo e vai responder como participe do crime”, afirmou Fontes à imprensa.

*Com informações do G1.