DESMATAMENTO

Agropecuária cresce 50% e ocupa um terço do território brasileiro, aponta estudo

Desmatamento abre espaço principalmente para criação de gado na Amazônia; monocultura de soja também avança pelo Cerrado

Desmatamento na Amazônia.Créditos: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Escrito en MEIO AMBIENTE el

A agropecuária avançou 50% nos últimos 38 anos e já ocupa um terço do território nacional. É isso que aponta o novo relatório do MapBiomas, que observou a ampliação da atividade entre os anos 1985 e 2022.

Essa expansão equivale a 95,1 milhões de hectares, área superior ao terceiro maior estado brasileiro, Mato Grosso.

De acordo com o instituto, o avanço se deu principalmente na Amazônia e para abrir espaço para pastagens (58%), atividade que teve um crescimento de mais de 60% entre o período observado. 

Em 1985, as áreas de pasto ocupavam 13,7 milhões de hectares, em 2022 já são 57,7 milhões de hectares

Também em 2022, o Brasil atingiu um recorde na pecuária e passou a ter 15,4% mais boi do que gente. Um total de 234,4 milhões de cabeças de gado.

Soja no Cerrado

Já no Cerrado, a maior expansão foi da atividade agrícola com a plantação de soja, que cresceu mais de 15 vezes e hoje ocupa 18 milhões de hectares. Isso coloca o Cerrado como liderança em área ocupada pelo grão. 

O bioma também teve um leve declínio no avanço constante das pastagens sobre vegetação nativa, de 55 milhões de hectares de pastos para 51,3 milhões de hectares, entre 2013 e 2022.  
 

Pastagens 

Nesses 38 anos, o desmatamento de vegetação nativa para pastagem manteve altos níveis, com queda apenas entre 2008 e 2012, mas logo teve aumento em 2013. 

Ainda que no Brasil predominem pastagens com mais de 20 anos, quase metade das áreas que avançaram sobre a Amazônia são consideradas novas, com menos de 20 anos. 

As pastagens são direcionadas à atividade pecuária, uma das principais responsáveis pela crise climática, pois a criação de bovino emite altos níveis de gases poluentes, como o metano, principal gás do efeito estufa

Em 2020, a Organização das Nações Unidas (ONU) classificou a pecuária como uma ameaça ao clima global

Os cinco maiores estados em desmatamento para pastagem foram:

  • Pará (18,5 milhões de hectares), 
  • Mato Grosso (15,5 milhões de hectares), 
  • Rondônia (7,4 milhões de hectares), 
  • Maranhão (5,4 milhões de hectares) e 
  • Tocantins (4,5 milhões de hectares) 

A maioria desses estados faz parte da Amazônia e do Matopiba, uma das principais fronteiras do desmatamento atualmente. 

Agricultura 

A atividade agrícola, em todo o país, se expandiu aproximadamente duas vezes a área do estado do Paraná, passando de 19,1 milhões de hectares para 61 milhões de hectares entre 1985 e 2022.  

Quase 100% da área é destinada a lavouras de grãos e cana, que triplicaram em 38 anos. 

A soja, sozinha, aumentou sua área de cultivo em quatro vezes e hoje, dos 58,7 milhões de hectares destinados à agricultura, ocupa 35 milhões.

A distribuição geográfica dessas áreas desmatadas para dar espaço para agricultura variou ao longo do períodos. As novas fronteiras agrícolas se concentram no Matopiba, região formada por áreas majoritariamente de Cerrado nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia; Amacro e no bioma Pampa

Outro destaque do estudo é que a maior parte das áreas agrícolas convertidas para atividade agrícola era de pastagem

Os estados com a maior expansão foram: Mato Grosso (3 milhões de hectares), Rio Grande do Sul (2,6 milhões de hectares),  Bahia (1,8 milhão de hectares), Maranhão (790 mil hectares) e Goiás (550 mil hectares).