DESMATAMENTO

Agro avançou sobre 58,6 milhões de hectares de floresta, aponta MapBiomas

Instituto analisou a perda de vegetação nativa do país entre 1985 e 2022; Amazônia é o bioma que mais sofreu

Desmatamento na Amazônia ocupa 16% do território.Créditos: Arquivo/Agência Brasil
Escrito en MEIO AMBIENTE el

A atividade agropecuária foi a que mais cresceu nos últimos 37 anos no país e já está presente em todos os biomas, ocupando 33% do território. Seu avanço foi principalmente sobre área de floresta, ocupando 58,6 milhões de hectares entre 1985 e 2022, segundo estudo do MapBiomas divulgado nesta quinta-feira(31).  

Atualmente, o solo destinado a pastos e plantações já ocupa um terço do solo nacional. 

No Cerrado, a agropecuária tomou conta da metade (50%) do bioma e 25% da sua vegetação nativa foi destruída. O bioma se junta ao Pampa (24%) como as regiões que mais perderam área nativa no período analisado.

Agropecuária aumentou 10 vezes na Amazônia - Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na região conhecida como Amacro, um dos pólos do desmatamento, no oeste da Amazônia, a agropecuária aumentou em 10 vezes, chegando a ocupar 21% do território (5,3 milhões de hectares).

Ao todo, o Brasil perdeu 96 milhões de hectares (15%) de vegetação nativa, o que equivale a 2,5 vezes a Alemanha. 

Outro dado alarmante é sobre a perda de água e campos alagados no Pantanal: em 1985, o índice era de 47% do território; em 2022, é de apenas 12% de áreas mapeadas.

O avanço da soja

Área de plantação de soja - Marcelo Camargo/Agência Brasil

As lavouras temporárias, onde se plantam as famosas commodities como soja, milho, cana e algodão avançaram mais de três vezes pelo território. A cultura da soja,  a gigante do agro, cresceu e hoje é nove vezes maior do que há 37 anos e toma conta de 40 milhões de hectares, área maior que a França.

Perda por bioma

Na Amazônia, a área ocupada pelo agro saltou de 3% para 16%; no Pantanal, de 5% para 15%; no Pampa, de 29% para 44%; na Caatinga, de 33% para 40%

Preservação em terras indígenas

As terras indígenas, que ocupam 13% do território nacional, são responsáveis por manter 19% de toda a vegetação nativa do país. Nas últimas três décadas, apenas 1% da perda de área nativa se deu nessas terras.