Bolsonaro assina decreto que facilita registro e liberação de agrotóxicos

Até o momento, o atual governo já liberou mais de mil novas substâncias prejudiciais à saúde para uso no campo

Jair Bolsonaro nem tenta esconder o fato de ser inimigo do meio ambiente. Ele editou, nesta sexta-feira (8), decreto que facilita, ainda mais, o registro de novos agrotóxicos. Além disso, permite a liberação mais rápida desses produtos nocivos.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou nota, afirmando que o objetivo da medida é “modernizar” os trâmites e diminuir a burocracia na análise e aprovação dos novos produtos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que a intoxicação por uso dessas substâncias pode causar arritmias cardíacas, lesões renais, câncer, alergias respiratórias, fibrose pulmonar, entre outras doenças.

Antes da assinatura do decreto desta sexta, substâncias e ingredientes ativos aprovados pelo Mapa, pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) necessitavam de uma licença especial temporária para serem usados no campo.

Porém, Bolsonaro decidiu atender a uma solicitação do setor químico e acabou excluindo essa necessidade, o que facilitou ainda mais a aprovação dos produtos.

“Bolsonaro edita decreto que altera regras sobre agrotóxicos e tem a cara de pau de dizer que, com isso, os produtos serão mais modernos e menos tóxicos. É mentira, esse sujeito é genocida”, protestou o deputado federal Nilto Tatto (PT-SP), via redes sociais.

Mais de mil substâncias

Até o momento, o governo Bolsonaro liberou mais de mil nova substâncias prejudiciais à saúde. Um terço dos venenos aprovados no Brasil foram banidos na União Europeia e nos Estados Unidos.

Publicidade

Com informações do Brasil de Fato

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.