Imprensa livre e independente
17 de junho de 2019, 12h44

Mensagens no Telegram já foram usadas para reforçar condenações no TRF-4

O desembargador Thompson Flores, presidente do tribunal, poe exemplo, integrou a uma sentença o argumento de que o réu mantinha “intensa comunicação por meio de aplicativos velados, a exemplo do Telegram”

A sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre. Foto: Divulgação/CNJ
O aplicativo Telegram, usado pelos procuradores do MPF (Ministério Público Federal) e pelo juiz Sérgio Moro na troca de mensagens divulgada no Vaza Jato do The Intercept Brasil, já serviu ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), onde tramitam processos em segunda instância da Lava Jato, para reforçar condenações. Segundo a colunista Mônica Bergamo, da Folha, em sua coluna desta segunda-feira (17), o TRF-4 já considerou o uso da aplicação como agravante algumas vezes. O desembargador Thompson Flores, presidente do tribunal, integrou a uma sentença o argumento de que o réu mantinha “intensa comunicação por meio de aplicativos velados, a exemplo do...

O aplicativo Telegram, usado pelos procuradores do MPF (Ministério Público Federal) e pelo juiz Sérgio Moro na troca de mensagens divulgada no Vaza Jato do The Intercept Brasil, já serviu ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), onde tramitam processos em segunda instância da Lava Jato, para reforçar condenações.

Segundo a colunista Mônica Bergamo, da Folha, em sua coluna desta segunda-feira (17), o TRF-4 já considerou o uso da aplicação como agravante algumas vezes. O desembargador Thompson Flores, presidente do tribunal, integrou a uma sentença o argumento de que o réu mantinha “intensa comunicação por meio de aplicativos velados, a exemplo do Telegram”.

Já o desembargador Leandro Pausen, que negou a ida de Lula a velório do seu irmão Vavá, afirmou que um réu, processado por tráfico de drogas, se comunicava principalmente por meios eletrônicos —entre eles, o Telegram— “a fim de dificultar o rastreamento”.

Os procuradores do MPF e o juiz Sérgio Moro têm tentado minimizar o conteúdo divulgado pelo The Intercept Brasil investigando apenas a origem do vazamento.

Veja também:  Cônsul-honorário na Austrália é exonerado por criticar Sérgio Moro

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum