Imprensa livre e independente
24 de janeiro de 2019, 22h27

Michelle Bolsonaro é alvo de investigação da Receita Federal

Motivo é o cheque de R$24 mil que a primeira-dama recebeu do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, que é investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro por movimentações financeiras atípicas; filho do presidente também será investigado pelo Fisco

Reprodução/TV Record
A polêmica do caso Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) que mantém relações até mesmo com líderes da milícia carioca, chegou até a Receita Federal. De acordo com o site Valor, o órgão abriu um procedimento na quarta-feira (23) para investigar as movimentações financeiras de 27 deputados estaduais do Rio de Janeiro e seus assessores. A base para a investigação é o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que motivou a investigação do Ministério Público contra Queiroz. Pelo fato de o ex-assessor ter depositado um cheque de R$24 mil para a primeira-dama Michelle Bolsonaro, ela também...

A polêmica do caso Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) que mantém relações até mesmo com líderes da milícia carioca, chegou até a Receita Federal. De acordo com o site Valor, o órgão abriu um procedimento na quarta-feira (23) para investigar as movimentações financeiras de 27 deputados estaduais do Rio de Janeiro e seus assessores.

A base para a investigação é o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que motivou a investigação do Ministério Público contra Queiroz. Pelo fato de o ex-assessor ter depositado um cheque de R$24 mil para a primeira-dama Michelle Bolsonaro, ela também será investigada pela Receita, assim como o senador eleito Flávio Bolsonaro.

O depósito que Queiroz fez na conta da primeira-dama faz parte de uma movimentação financeira considerada atípica pelo Coaf. Homem de confiança da família Bolsonaro, o ex-assessor movimentou R$1,2 milhão no período de um ano, entre 2016 e 2017, e também de R$ 5,8 milhões, entre 2014 e 2015.

Caso a investigação da Receita não consiga explicar as movimentações de Queiroz e o cheque à primeira-dama, o presidente Jair Bolsonaro pode passar a ser alvo de análise do órgão.

Veja também:  FMI faz terrorismo eleitoral na Argentina para favorecer Macri

À época que as movimentações atípicas de Queiroz vieram à tona, Bolsonaro afirmou que o cheque depositado à sua esposa faria parte de uma “dívida”.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum