Após perder 94 anunciantes, Sikêra Jr. é premiado com programa dominical

Ao invés de ser repreendido ou até mesmo demitido por declarações homofóbicas, o apresentador foi premiado; A iniciativa é da TV A Crítica, mas deve ir para a RedeTV!

Ao invés de ser repreendido ou até mesmo demitido após provocar a saída de, até o momento, 94 anunciantes da grade no seu horário por declarações homofóbicas, o apresentador Sikêra Jr. vai ser promovido. Ele vai ganhar da TV A Crítica um programa dominical.

O programa terá um modelo semelhante ao que Gugu Liberato fazia no Domingo Legal, do SBT, com mistura de notícias e entretenimento. O canal amazonense, de acordo com o TV Pop, decidiu pedir ajuda para os fãs do comunicador, que vão poder contribuir dando ideias de quadros e de elementos do cenário.

Como se fosse pouco, a iniciativa é da TV A Crítica, mas já existem negociações para que a atração também seja retransmitida pela RedeTV!. A emissora de Marcelo de Carvalho e Amilcare Dallevo Jr. não é afetada judicialmente pelos comentários feitos pelo jornalista no Alerta Nacional, já que o contrato firmado prevê a total responsabilidade do apresentador pelas convicções e opiniões ditas durante as edições do noticiário, além do comprometimento em ressarcir a emissora em caso de eventuais prejuízos provocados por indenizações.

O jornalista contou a novidade durante o Alerta Amazonas de quarta-feira (28). “Hoje nós vamos ter uma reunião envolvendo os donos da emissora, a engenharia, o pessoal de pesquisa e os diretores. É sobre o novo programa que vem aí, um programa de auditório. Vai ser um programa com plateia, muita coisa boa. Só que quem vai decidir, quem vai dizer assim… ‘olha, vocês poderiam botar uma luz, uma piscina no meio do palco’. As sugestões tem que ser dadas por vocês, então, participem dessa reunião. Esse programa vai ser montado com a sua dica. Você é quem vai dizer, você é quem vai nos ajudar. Por favor, nos ajude a montar esse programa. Vai ser muito bacana, vai ser inédito na televisão as pessoas participando e dando dicas para esse programa de auditório. Vai ser sensacional, vocês vão ver”, anunciou.

“Raça desgraçada”

Ao criticar a campanha em prol do Orgulho LGBT produzida pela rede Burger King, onde crianças falam sobre diversidade sexual, o apresentador Sikêra Jr. se referiu as pessoas LGBT como “raça desgraçada”.

“A criançada está sendo usada. Um povo lacrador que não convence mais os adultos e agora vão usar as crianças. (…) Deixa essa tara, não vem para o lado das crianças. (…) A gente tá calado engolindo essa raça desgraçada. (…) O comercial é podre, nojento, ridículo”, disse o apresentador ao vivo, ao comentar comercial do Burger King em respeito à diversidade.

A partir dessa declaração, o movimento Sleeping Giants levantou a tag #DesmonetizaSikera. Desde então, grandes marcas que anunciavam no programa, entre elas a construtora MRV e HapVida Saúde, anunciaram a retirada de seus anúncios do programa.

Homofóbico reincidente

Em maio deste ano o ativista LGBT Agripino Magalhães protocolou no Ministério Público de São Paulo (MP-SP) um pedido de prisão preventiva do apresentador do Alerta Nacional, Sikêra Jr., por prática recorrente de homofobia ao vivo em seu programa.

Publicidade

O documento foi entregue ao MP nesta terça-feira (11) e segue em análise. A ação tem como base a edição do Alerta Nacional exibido no dia 5 de maio. Ao comentar sobre uma ação de jovens que vandalizaram uma igreja, Sikêra buscou fazer uma associação entre o crime da reportagem e a comunidade LGBT. Além disso, Sikêra Jr. também faz menções indiretas ao ativista Agripino Magalhães.

Notícias relacionadas

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR