Astrid Fontenelle: “Perder para Tata Werneck tudo bem, mas Lacombe é negacionista”; veja vídeo

Ela disputava o "Prêmio Comunique-se" de "Melhor apresentador (a)" com o bolsonarista Lacombe e com Tata Werneck

Astrid Fontenelle, de 60 anos, perdeu o “Prêmio Comunique-se” de “Melhor apresentador (a)” para o bolsonarista Ernesto Lacombe e não gostou nem um pouco. Ela afirmou durante uma live na noite deste sábado (20), que é absurdo entregar o prêmio ao Lacombe, um “negacionista”.

Astrid disputava o prêmio com Tata Werneck e Ernesto Lacombe.

“Não gostei de ter perdido pro Lacombe! Não gostei! Falei assim pro Gabriel ‘vou com a Tata Werneck e um jornalista que você nem conhece’ e ele falou ‘mãe, fica ruim ganhar da Tata Werneck‘. Perder pra Tata Werneck não me incomodaria, porque ela tá fazendo um trabalho brilhante como apresentadora naquele programa de entrevistas dela. Eu adoro e piro. Certamente se tivesse a idade dela, estaria fazendo coisa semelhante. Mas, porra, esse cara [Lacombe] é negacionista, gente, pelo amor de Deus! Vergonha!”, disse Astrid.

Apesar da derrota, a apresentadora agradeceu aos fãs por chegar entre os três finalistas pela primeira vez em sua carreira.

“Quero agradecer a todos vocês que me agradeceram bastante na caminhada do Prêmio Comunique-se, que é considerado o Oscar do jornalismo brasileiro. Pela primeira vez, em 36 anos de carreira, apareci na lista dos dez melhores apresentadores. Uma lista feita por jornalistas, então, portanto, fiquei muito feliz de estar ali. Graças a vocês, entrei entre os três concorrendo com a Tatá Werneck e o Lacombe”, explicou.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR