“Cadê a maconha?”: Dayane pede droga em A Fazenda e expõe suposto esquema de fornecimento; veja vídeos

Colecionando polêmicas, modelo Dayane Mello cobrou maconha em festa no reality da Record. Outros participantes ficaram indignados. "Ela dá um dois e joga o bagulho fora". Assista aos vídeos

Colecionando polêmicas no reality show A Fazenda, a modelo Dayane Mello agora tem sido acusado por outros participantes de acabar com o esquema de fornecimento de droga no programa da TV Record após cobrar a entrega de maconha durante uma festa que começou na sexta-feira (19) e se estendeu até a madrugada deste sábado (20).

“Cadê a maconha? Caralh*!”, gritou a modelo na pista de dança após ter se excedido na bebida. Assinantes do streaming da Record teriam acompanhando a cena, gravaram e colocaram nas redes.

Notícias relacionadas

Em outra cena, a modelo pede “seda”, papel usado para fazer o cigarro de maconha a outros dois participantes, que respondem: “tá tudo lá”.

Internautas, então, começaram a divulgar cenas que, supostamente, comprovariam um esquema de fornecimento da droga, que é ilegal, aos participantes do programa.

O pedido feito pela modelo, no entanto, teria gerado revolta nos outros participantes, que a acusam de acabar com o esquema de fornecimento. Em uma cena, dois participantes teriam relatado o caso.

Em outro vídeo, parcipantes que estão na academia da casa reclamam de Dayane “dar um dois e jogar o bagulho fora”.

“Soltou a parada para ela?”, indaga um dos rapazes. “Soltei, né mano?”, responde outro. “E ela dá um dois e joga o bagulho”, emenda um terceiro. “É, joga fora”, complementa. “E agora não tem mais essa: é um por semana. Já falaram”, falou.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR