Denúncia contra Glenn repercute no mundo, que vê liberdade de imprensa ameaçada no Brasil

"Esse ataque ultrajante à liberdade de imprensa é claramente uma intimidação tática de promotores envergonhados. Não deve ser tolerado", publicou a Freedom of Press Foundation

Glenn Greenwald foi denunciado nesta terça-feira (21) pelo Ministério Público e a ação está repercutindo internacionalmente, já que o editor do The Intercept Brasil é mundialmente conhecido e respeitado, além de ser ganhador do Pulitzer, prêmio de maior prestígio que um jornalista pode ganhar.

A notícia sobre a denúncia que associa Glenn ao suposto crime de auxiliar hackers no vazamento de mensagens de autoridades é destaque tanto em portais de grandes jornais, como o New York Times, quanto em perfis como o de Edward Snowden – foi com Glenn que Snowden contou para o Wikileaks. Ele hoje está na presidência da Freedom of Press Foundation, “Fundação da Liberdade de Imprensa” em português, que emitiu uma nota.

Confira.

O New York Times noticiou nesta manhã que Glenn Greenwald, um jornalista investigativo premiado e membro fundador do nosso conselho de administração, foi acusado no Brasil de “crimes cibernéticos” por publicar mensagens vazadas de celulares mostrando corrupção generalizada por funcionários públicos brasileiros.

Esse ataque ultrajante à liberdade de imprensa é claramente uma intimidação tática de promotores envergonhados. Não deve ser tolerado. Greenwald e suas reportagens no The Intercept Brazil foram alvo de frequentes ataques verbais do presidente brasileiro Jair Bolsonaro e até de uma investigação policial – uma conduta que já foi declarada uma violação da constituição do Brasil pelo Supremo Tribunal do país. As acusações de hoje representam um flagrante desrespeito a essa ordem judicial.

Trevor Timm, diretor executivo da Freedom of Press, divulgou esta declaração:

Glenn Greenwald é nosso amigo e colega de longa data e lutou bravamente pela liberdade jornalística ao longo de sua carreira. Essas acusações falsas são uma escalada doentia dos ataques autoritários do governo Bolsonaro à liberdade de imprensa e ao Estado de Direito. Eles não podem ficar em pé. Apelamos ao governo brasileiro para denunciar imediatamente a perseguição de Greenwald e o respeito à liberdade de imprensa – como o Supremo Tribunal Federal já ordenou. Enquanto isso, esperamos que Glenn esteja seguro e capaz de continuar fazendo seu trabalho como jornalista.

Greenwald divulgou sua própria declaração ao Daily Beast:

Não seremos intimidados por essas tentativas tirânicas de silenciar jornalistas. Estou trabalhando agora em novos relatórios e continuarei a fazê-lo. Muitos brasileiros corajosos sacrificaram sua liberdade e até a vida pela democracia brasileira e contra a repressão, e sinto a obrigação de continuar seu nobre trabalho.

O Ministro Sérgio Moro, no programa Roda Viva da última segunda-feira (20), disse que “não se vê qualquer iniciativa do presidente de cercear a liberdade de imprensa”.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR