Eleição de Lula é “indispensável para aliança estratégica” com Europa, diz El Pais em editorial

"Lula deixou, à sua passagem pela Europa, a mensagem de que o Brasil não é Bolsonaro, e que uma esquerda democrática, realista e disposta a batalhar contra a desigualdade é possível", diz o El País.

Em editorial nesta segunda-feira (22), um dia após estampar a entrevista com o ex-presidente brasileiro na capa da edição impressa, o jornal El País afirma que a eleição de Lula em 2022 é “indispensável para aliança estratégica” com a Europa.

Leia também: Viagem à Europa faz Lula superar Bolsonaro em popularidade digital, diz Quaest

“Lula demonstrou sua sensibilidade por temas como a pobreza e a justiça social em uma área fortemente golpeada pela desigualdade. Mas também por questões como a mudança climática, a diversidade e a qualidade democrática. Sua visão em termos de valores e de uma governança global multilateral dão sentido a esse diálogo entre as famílias progressistas de ambos os continentes. A construção de uma agenda comum chega em um momento no qual os problemas internos europeus continuam afundando o inexplicável vazio e desinteresse da União por uma região com a qual é indispensável estabelecer uma aliança estratégica para lutar por objetivos comuns, como a mudança climática e uma globalização que limite os excessos ordoliberais da última década”, diz o jornal.

“Lula deixou, à sua passagem pela Europa, a mensagem de que o Brasil não é Bolsonaro, e que uma esquerda democrática, realista e disposta a batalhar contra a desigualdade é possível“, emenda o El País, sinalizando que Lula atingiu seu objetivo no giro pelo velho continente.

O jornal espanhol ainda ressaltou as conversas de Lula com chefes de Estado de centro-esquerda do continente e a reunião com lideranças e movimentos progressistas.

“A relevância de Lula e destas eleições para a estabilidade regional constituem os principais motivos pelos quais vale a pena para a esquerda europeia se aproximar do possível próximo presidente do Brasil. Ele pode ser considerado sem dúvida o representante mais afim à família social-democrata no continente latino-americano”.

Notícias relacionadas

Bolsonaro “desprezou a vida humana”, “desprestigia a política e despreza a verdade”

O periódico, um dos principais da Europa, ainda usou termos fortes para definir “o manual amplamente conhecido do populismo autoritário” de Jair Bolsonaro (Sem partido).

“O fundador do Partido dos Trabalhadores parece ser o candidato com maior capacidade para vencer Bolsonaro, um presidente que desprezou a vida humana e a autoridade da ciência durante a pandemia, levando a seu país a uma das taxas mais altas de mortes por covid-19 em todo o planeta”, diz o texto.

Publicidade

Após afirmar que além de destruir a Amazônia – “um dos pulmões da Terra e foco que abriga maior diversidade do globo” -, Bolsonaro desdenhou abertamente das normas democráticas básicas, deslegitimando e tentando anular seus adversários políticos.

“Desde que tomou posse como presidente, em 2019, Bolsonaro segue o manual amplamente conhecido do populismo autoritário. Infligiu um incalculável dano às normas constitucionais, dividindo e polarizando a sociedade: desprestigia a política e despreza a verdade, ao mesmo tempo em que promove teorias conspiratórias negacionistas”.

Publicidade

Para o El País, “as eleições que anteporão Lula a Bolsonaro terão um caráter existencial: está em jogo o próprio futuro da democracia no Brasil. O resultado, inevitavelmente, terá um enorme impacto em todo o continente durante a próxima década, dada a capacidade de irradiação de um país que já foi considerado um exemplo democrático entre as economias emergentes”.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR