Em duro editorial, Folha chama Bolsonaro de “ensaio de ditador” e cobra Lira sobre impeachment

Jornal paulista ainda criticou a "inação" de o procurador-geral da República, Augusto Aras, ao não responsabilizar o presidente

O jornal Folha de S. Paulo subiu o tom contra o presidente Jair Bolsonaro. Em editorial divulgado nesta quinta-feira (5), o periódico paulistano chama o chefe do Executivo de “ensaio de ditador”, cobra o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), sobre a abertura de um processo de impeachment, e critica a “inação” do procurador-geral da República, Augusto Aras.

Segundo o jornal, Bolsonaro “comete desvarios em série na sua fuga rumo à tirania e precisa ser parado pela lei que despreza”.

O editorial da Folha vem em meio à intensificação dos ataques de Jair Bolsonaro às instituições e seu ímpeto de preparar um golpe ao questionar a legitimidade do sistema eleitoral brasileiro.

“Há loucura e há método na sequência de investidas contra a democracia e o sistema eleitoral, ao passo que o país é duramente castigado pela ausência de governo. São demasiadas horas perdidas com mentiras, picuinhas e bravatas enquanto brasileiros adoecem, morrem e empobrecem”, pontua o texto.

Ao longo do artigo, o periódico fala sobre a perspectiva de queda no crescimento econômico, “danos” observados nas áreas da saúde, educação e meio ambiente e os ataques de Bolsonaro às instituições.

O jornal ainda enaltece a postura do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Supremo Tribunal Federal (STF), que incluíram o presidente em inquéritos para apurar fake news e a conduta do chefe do Executivo com relação à tese de “fraude” nas eleições. A publicação pondera, contudo, que Lira e Aras “não entenderam o jogo”.

“Por ingenuidade ou interesse equivocado, associam-se a uma figura que se pudesse fecharia o Congresso, o Ministério Público e o Supremo. Falta ao procurador Augusto Aras perceber que a vaga que ambiciona no STF de nada valeria em um regime de exceção; ao deputado Arthur Lira (PP-AL), que a pusilanimidade de hoje não seria recompensada com mais poder em uma ditadura”, atesta a Folha.

Na sequência, a publicação cita diretamente o impeachment. “A deliberação sobre os pedidos de impeachment torna-se urgente. Da mesma maneira, os achados e conclusões da CPI da Pandemia devem desencadear a responsabilização do presidente. À Procuradoria, cumpre exercer a sua prerrogativa de acionar criminalmente o chefe do governo”, pontua o artigo.

Publicidade

Confira a íntegra aqui.

Fux sobe o tom

Apesar de Fux ter reagido aos ataques do presidente, Bolsonaro, em sua live desta quinta-feira, pareceu não ter se intimidado. Inicialmente, tentou parecer parcimonioso e reclamou de “problemas, ruídos e incompreensões que vem de um lado da Praça dos Três Poderes, onde 2 ou 3 se arvoram em ser o dono da verdade”.

Publicidade

Na sequência, o chefe do Executivo voltou a subir o tom e a fazer várias insinuações contra Luís Roberto Barroso, ministro do STF e presidente do TSE, e Alexandre de Moraes, ministro que incluiu Bolsonaro como investigado no inquérito das fake news. Também sobrou para Fux, que foi chamado de “desinformado” pelo presidente.

À tarde, Fux anunciou o cancelamento de reunião que aconteceria entre os chefes dos Três Poderes brasileiros (Executivo, Legislativo e Judiciário) em razão da postura de Bolsonaro. “Como presidente do STF, alertei o presidente da República em reunião realizada nesta Corte, durante as férias coletivas, sobre os limites do exercício do direito da liberdade de expressão, bem como ser necessário e inegociável o respeito entre poderes para harmonia do pais”, afirmou o magistrado.

“Contudo, como tem noticiado a imprensa, nos últimos dias o presidente da República tem reiterado ofensas, ataques e inverdades contra integrantes desta Corte”, prosseguiu. “O pressuposto do dialogo entre os Poderes é o respeito mútuo entre instituições e seus integrantes. Diálogo eficiente pressupõe compromisso permanente com as próprias palavras, o que infelizmente não temos visto no cenário atual”, finalizou.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR