Empresário preso por fraude nos EUA está envolvido em escândalo da Davati, revela JN

Comissões do negócio de 400 milhões de doses seriam pagas a empresa ligada a Daniel Fernandes e ao reverendo Amilton Gomes

O Jornal Nacional, da TV Globo, voltou a esmiuçar as negociações suspeitas envolvendo a compra de vacinas pelo governo Jair Bolsonaro através da empresa estadunidense Davati Medical Supply.

Nesta segunda-feira (5), o telejornal mostrou que o grupo evangélico Senah, do reverendo Amilton Gomes, indicou duas empresas à Davati para a realização de pagamentos de comissões no negócio de 400 milhões de doses de vacinas Oxford/AstraZeneca,

Em uma delas, a DFRF Golden Angel Foundation [Fundação Anjo Dourado, em tradução livre], aparece Daniel Fernandes Rojo FIlho como um dos diretores. O DFRF que nomeia a empresa são justamente as iniciais dele.

Conforme destacou o JN, Daniel Fernandes já foi preso nos EUA em razão de investigações sobre fraude multimilionária através da empresa DFRF Enterprises. Fernandes foi acusado pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos de operar um esquema de pirâmide de 15 milhões de dólares. Ele chegou a ser considerado fugitivo internacional em 2015.

Reportagem exibida pelo telejonal no sábado (3) mostrou que o diretor de Imunização do Ministério da Saúde, o veterinário Lauricio Monteiro Cruz, autorizou que a Senah atuasse nas negociações com a Davati. O valor negociado seria superior aos das denúncias do empresário Luiz Paulo Dominguetti.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR