Fake news e ataque ao sistema eleitoral: ABMD pede ao YouTube remoção de live de Bolsonaro

Associação Brasileira de Mídia Digital solicita ainda que plataforma puna o canal do presidente pelas mentiras destiladas em sua última transmissão ao vivo

A recém constituída Associação Brasileira de Mídia Digital (ABMD) divulgou nota, nesta sexta-feira (30), em que anuncia que solicitou ao YouTube a remoção da live de Jair Bolsonaro desta quinta-feira (19) em que o presidente faz ataques ao sistema eleitoral brasileiro.

Durante a transmissão ao vivo, o chefe do Executivo destilou uma série de fake news sobre suposta fraude nas urnas eletrônicas, se utilizando de matérias jornalísticas antigas, já desmentidas, e vídeos de WhatsApp.

Apesar de toda a divulgação, Bolsonaro não apresentou sequer uma prova de irregularidades nas eleições e a live se limitou ao compartilhamento de mentiras e ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) e Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“Na última quinta-feira o presidente Jair Bolsonaro usou seu canal na plataforma YouTube, com apoio inédito e flagrantemente ilegal da TV Brasil/Radiobrás e do aparato de comunicação social da Presidência da República, para inventar falsas vulnerabilidades das urnas eletrônicas e do processo de apuração e contagem de votos do Brasil. Também atacou instituições como o Supremo Tribunal Federal, o Tribunal Superior Eleitoral e seus ministros”, diz um trecho da nota da ABMD.

“Diante disso, e em razão do aprendizado que as democracias eleitorais em todo o mundo – inclusive o Brasil – colhem das sucessivas e contemporâneas intervenções de autocratas, candidatos a ditadores e fascistas que manipulam eleições a partir de fake news, a Associação Brasileira de Mídia Digital solicita que o YouTube exclua definitivamente de sua plataforma todos os vídeos produzidos a partir desta ‘live’ presidencial, bem como a sua íntegra”, prossegue a entidade, que pede ainda que a plataforma puna o canal do presidente.

A ABMD é constituída, inicialmente, por veículos do meio digital como Brasil 247, Consultor Jurídico, DCM, Fórum, GGN, Jus.com.br, Metrópoles, Cafezinho, Opera Mundi, Sul 21, Plataforma Brasília e TV Democracia.

Confira, abaixo, a íntegra da nota.

“Na última quinta-feira o presidente Jair Bolsonaro usou seu canal na plataforma YouTube, com apoio inédito e flagrantemente ilegal da TV Brasil/Radiobrás e do aparato de comunicação social da Presidência da República, para inventar falsas vulnerabilidades das urnas eletrônicas e do processo de apuração e contagem de votos do Brasil. Também atacou instituições como o Supremo Tribunal Federal, o Tribunal Superior Eleitoral e seus ministros.

Publicidade

Usadas como apoio à disseminação de tais ataques que repugnam os democratas e a Democracia, redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram, além das plataformas do Google e de aplicativos de mensagens como Whatsapp e Telegram, não só reproduziram as falas inverídicas presidenciais como, dado as características que lhes são próprias, arquivam e seguem (e seguirão) municiando o arsenal de falsidades, ódios e discursos impróprios produzidos pelo presidente e por sua máquina de intervir na cena política de forma desonesta e inapropriada.

Diante disso, e em razão do aprendizado que as democracias eleitorais em todo o mundo – inclusive o Brasil – colhem das sucessivas e contemporâneas intervenções de autocratas, candidatos a ditadores e fascistas que manipulam eleições a partir de fake news, a Associação Brasileira de Mídia Digital (*) solicita que o YouTube exclua definitivamente de sua plataforma todos os vídeos produzidos a partir desta “live” presidencial, bem como a sua íntegra.

Publicidade

Também é razoável esperar a punição do canal dentro das regras da empresa, que atua corretamente para evitar a disseminação de mentiras.

A ABMD pede ainda ao Google que vete as buscas pelos vídeos falsos, assim como às redes sociais e aplicativos de mensagens para que derrubem a disseminação e circulação das falsas afirmações feitas pelo presidente.

O processo de coleta e apuração de votos adotado no Brasil é íntegro, moderno e auditável. Ele cumpre forte papel na reconstrução democrática desde que a ditadura militar foi derrotada.

Deter cargos públicos não é prerrogativa para faltar com a verdade nas redes, nem diferencia um presidente mentiroso de qualquer outro criminoso que usa mentiras para abalar instituições e conturbar processos político-eleitorais.

Os veículos de comunicação que nós representamos fazem jornalismo independente e moderno. O ambiente digital é o ecossistema que habitamos. Nele, explicamos a conjuntura e levamos aos nossos leitores, telespectadores, ouvintes, assinantes, associados e parceiros, notícias reais e apuração honesta de fatos. Temos compromisso com a verdade.

Ninguém, pode vir a esse ambiente de mídias digitais para confundir, mentir e dividir ainda mais a sociedade.
Agir rapidamente contra as fake news, será didático para todos – sobretudo para o Brasil e para os brasileiros. E isso é urgente”.

Associação Brasileira de Mídia Digital (ABMD)*

Florestan Fernandes Jr., presidente

Luís Costa Pinto, vice-presidente

Adriana Delorenzo, secretária-geral.

(*) Associação Brasileira de Mídia Digital (ABMD), constituída em 09 de julho de 2021 com a participação de todos os seus associados-fundadores e com seu Estatuto Social, em fase de registro, com sede em Brasília

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR