Fantástico recebe críticas nas redes por matéria sobre a crise que culpa Dilma e isenta Temer e Guedes

Reportagem do programa global ignora a completamente a responsabilidade de quem é o ministro da Economia há 2 anos, e de medidas do governo Temer como a reforma trabalhista e a PEC do Teto de Gastos

Uma reportagem sobre a atual crise econômica vivida pelo Brasil, exibida neste domingo (8) pelo Fantástico, tem causado grande repercussão nas redes sociais devido ao que parece ser uma imposição de narrativa. Na matéria, o programa defende a ideia de que a situação econômica atual do país é responsabilidade do governo de Dilma Rousseff, encerrado em maio de 2016.

Leia também: TromPetista chama a atenção de Duvivier e Haddad por elogio à reportagem “criminosa” do Fantástico

Além disso, a reportagem não atribui nenhum tipo de responsabilidade a Paulo Guedes, ministro da Economia há quase 2 anos.

Os internautas também perceberam outras omissões, especialmente de políticas implementadas pelo governo de Michel Temer e mantidas por Jair Bolsonaro, como a reforma trabalhista e o teto de gastos.

Sobre o atual presidente, o programa atribuiu a ele responsabilidades pessoais, sobre os erros de suas posições com respeito à geopolítica internacional ou à sua postura diante da pandemia, mas evitou qualquer tipo de crítica à sua política econômica – tanto que seu principal ministro da área foi ignorado completamente.

A deputada Érika Kokay (PT-DF) também reclamou que mesmo a possível justificativa da emissora de buscar um contexto histórico da crise em sua matéria se mostrou ideologizada: “não a contextualiza politicamente nem diz onde se originou: no momento em que Aécio e as elites não aceitaram a derrota de 2014 e passaram a sabotar o Brasil”.

A matéria também foi criticada por “dizer que a desigualdade social diminuiu drasticamente durante a primeira década dos Anos 2000 e voltou e não deixa claro o porquê disso e nem quem estava no governo nessa época” – durante aqueles anos, especialmente no período em que a desigualdade diminuiu, o presidente era Luiz Inácio Lula da Silva.

Veja alguns tuítes sobre a reportagem:

Publicidade
https://twitter.com/CorporacaoPato/status/1325604078085402624?s=19
Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR