Filhos de Cid Moreira pedem na justiça interdição do pai e prisão da madrasta

Segundo Roger e Rodrigo Moreira, a madrasta estaria transferindo o patrimônio do ex-apresentador do Jornal Nacional para familiares dela

Rodrigo e Roger Moreira, filhos de Cid Moreira, ex-apresentador do Jornal Nacional que está com 93 anos, entraram com uma ação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) nesta terça-feira (20) pedindo a interdição do pai e a prisão da madrasta, Fátima Sampaio de 58 anos. A informação foi divulgada pela Folha de S.Paulo, que teve acesso ao processo.

Na ação, os filhos dizem que Cid Moreira é uma “pessoa idosa, senil e que tem problemas psiquiátricos ocasionados pela idade” e acusam Fátima de “depenar totalmente o idoso, em puro estelionato senil, apropriação indébita e formação de quadrilha”.

Segundo Roger e Rodrigo, a madrasta estaria transferindo o patrimônio do locutor para familiares dela.

Os filhos ainda acusam a madrasta de oferecer comida estragada e impedir que familiares próximos visitem Cid Moreira, que também estaria sendo vítima de agressões verbais da esposa.

Fátima também seria responsável pelas últimas atitudes do pai, que já comunicou a ao menos um dos filhos que iria deserda-lo, tirando-o do testamento.

Segundo o advogado Ângelo Carbone, contratado pelos filhos de Cid Moreira, foi aberta ainda uma ação penal, que está em andamento no Ministério Público, pedindo a prisão provisória de Fátima.

“Diante da gravidade dos fatos e da tentativa da querelada em tentar mudar provas, contatar testemunhas, que seja decretada a prisão provisória da mesma por 30 dias, prorrogando-se até que tudo seja apurado ou surja uma preventiva”, diz a solicitação.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR