terça-feira, 22 set 2020
Publicidade

JN destaca que Pazuello não seguiu orientações de técnicos do Ministério da Saúde

O Jornal Nacional, da TV Globo, desta quinta-feira (23) deu destaque a um documento do Comitê de Operações de Emergência (COE) do Ministério da Saúde que mostra que o ministro interino Eduardo Pazuello foi alertado por técnicos sobre a importância do isolamento social, mas não seguiu à risca.

“Um documento do Ministério da Saúde revela que o ministro interino foi alertado sobre a necessidade dos brasileiros fazerem o isolamento social. Mesmo assim, Eduardo Pazuello, assinou uma portaria defendendo a reabertura das atividades econômicas”, disseram os apresentadores William Bonner e Renata Vasconcellos na abertura do telejornal.

A reportagem de Vladimir Netto repercutiu a ata da reunião de uma reunião do Comitê de Operações de Emergência (COE) do ministério realizada em 25 de maio, revelada pelo Estado de S. Paulo.

“Toda pesquisa leva a acredita que: Distanciamento social é favorável para a população e retorno da economia mais répido; Medidas social drásticas dão resultados positivos; Sem intervenção, esgotamos UTIs, os picos vão aumentar descontroladamente, levando insegurança à população que vai se recolher mesmo com tudo funcionando, o que geraria um desgaste maior ou igual ao isolamento na economia; Sem isolamento, um tempo muito grande de 1 a 2 anos para controlarmos a situação”, diz trecho do documento exibido no telejornal.

O JN enfatizou que o ministro interino adotou uma orientação contrária a dos técnicos e publicou uma portaria em 19 de junho que diz que “retomar as atividades e o convívio social são também fatores de promoção da saúde mental das pessoas”.

“O Ministério lavou as mãos. Eles é que tem que dar a política. É lá que tem os especialistas. É lá que tem as pessoas que tem, há anos, pessoas que trabalham com muita competência junto à saúde da população”, disse o epidemiologista Roberto Medronho, professor de Medicina da UFRJ, ao comentar sobre a postura do ministro.

“Você tem um documento técnico que não é respeitado por decisão do governo. É decisão. O governo escolheu esse caminho. Nós todos estamos pagando o preço dessa decisão”, afirmou o infectologista Jamal Suleiman.

Lucas Rocha
Lucas Rocha
Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.