quarta-feira, 30 set 2020
Publicidade

Jornal Nacional dá destaque a operação contra advogado de Lula, criticada pela OAB

O telejornal usou e abusou de infográficos e, só no final, citou a posição da OAB

O Jornal Nacional, da TV Globo, garantiu cerca de quatro minutos da edição desta quarta-feira (9) – que é mais curta – para repercutir a operação da Polícia Federal contra o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins, e outros profissionais do Direito autorizada pelo juiz Marcelo Bretas à pedido do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro com base em delação premiada.

“A Lava Jato investiga suspeita de tráfico de influência no Judiciário e ordena buscas e apreensões em endereços de advogados”, disse o apresentador William Bonner na abertura do telejornal. Além de Zanin, a operação atingiu o sócio dele, Roberto Teixeira, Frederick Wassef, ex-advogado da família Bolsonaro e Ana Tereza Basílio, advogada do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

A reportagem usou infográficos para detalhar a denúncia do Ministério Público, destacou os montantes divulgados pela operação e ainda exibiu trechos do documento apresentado pelo MP. A acusação foi montada com base na delação do ex-presidente da seção fluminense do Sistema S, Orlando Diniz.

Ao fim da matéria, o JN leu uma nota da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que aponta tentativa de criminalização da advocacia. O fator, no entanto, não pareceu importante para o telejornal na hora de produzir a reportagem, que se ateve somente ao que foi apresentado pelo MP – com base no que foi dito pelo delator.

A OAB estuda ir à Justiça contra a operação.

Em nota, Zanin acusou o juiz Marcelo Bretas, que autorizou a ação da Polícia Federal, de agir a mando de Jair Bolsonaro, em “clara tentativa de intimidação do Estado brasileiro pelo meu trabalho”. “O juiz Marcelo Bretas é notoriamente vinculado ao presidente Jair Bolsonaro e sua decisão no caso concreto está vinculada ao trabalho desenvolvido em favor de um delator assistido por advogados ligados ao Senador Flavio Bolsonaro. A situação fala por si só”, declarou. Ele ainda apontou que o ato ocorreu um dia após fim do prazo para a Lava Jato explicar cooperação com EUA.

Lucas Rocha
Lucas Rocha
Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.