Na Jovem Pan, Ana Paula Henkel cria fake news sobre mortes por vacinas contra Covid; infectologista rebate com dados

Emissora bolsonarista deu espaço à ex-atleta, que inventou dados sobre 501 mortes e até abortos decorrentes da vacinação nos EUA. Denisse Garrte, infectologista que já atuou no CDC, disse que "nada no vídeo é verdadeiro" e compartilhou links com informações oficiais

Alinhada a Jair Bolsonaro, a Jovem Pan deu palco à ex-jogadora de vôlei, Ana Paula Henkel, para criar uma fake news absurda com dados inventados sobre a morte de 501 pessoas nos Estados Unidos, onde mora, após serem vacinadas contra a Covid-19.

No dia 25 de fevereiro, após intervenção de Augusto Nunes, defedendo a posição de Bolsonaro contrária à vacinação, Ana Paula, inventa dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) sobre mortes e efeitos colaterais de vacinas.

“É muito importante essa responsabilização aí que estamos vendo no Brasil, porque também saiu um dado agora, no final de janeiro, começo de fevereiro, que vem exatamente do CDC”, diz a ex-atleta, classificando a vacina como “roleta russa” e iniciando uma lista que inclui, além das 501 mortes, 11 mil pessoas com reações adversas à vacinas e até mesmo 13 abortos.

Pelo Twitter, a médica infectologista Denise Garrett, que já atuou no CDC, rebateu com links da própria agência estadunidense.

“NADA no dito vídeo é verdadeiro. Em 250 milhões de doses no mundo: NENHUM óbito, aborto, assimetria facial ou outros dos efeitos adversos sérios mencionados no vídeo LIGADO ÀS VACINAS. Vacinas são seguras. Roleta russa não é tomar vacina. Roleta russa é pegar COVID”, diz a cientista.

“Dados do @CDCgov sobre segurança das vacinas p COVID no 1o mês de uso nos EUA: 14 milhões de doses, somente 0.05% eventos adversos, + de 90% leves (p.ex., cefaleia, fadiga e tontura). Nenhuma morte ou evento sério ligado à vacina”, complementou Denise, afirmando ainda que “as vacinas são nossa principal esperança de sair desse buraco da COVID-19”.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.