Rafael Colombo deixa quadro na CNN por causa de mentiras de Alexandre Garcia

Defensor contumaz de Jair Bolsonaro, Alexandre Garcia teve 126 vídeos deletados no Youtube por fake news. Antes de serem apagados, os vídeos haviam rendido quase R$ 70 mil ao jornalista

O apresentador Rafael Colombo pediu para deixar de apresentar o quadro Liberdade de Expressão, no canal CNN Brasil, após a divulgação de que o jornalista Alexandre Garcia, que faz a defesa de Jair Bolsonaro, lucrou quase R$ 70 mil com divulgação de notícias falsas no Youtube.

Notícias relacionadas

Nada encontrado

Segundo a coluna F5, da Folha de S.Paulo, pessoas próximas ao apresentador teriam dito que ele estava descontente há muito tempo e já havia pedido para deixar de apresentar o quadro.

Em maio, Colombo foi ameaçado por Alexandre Garcia após protagonizar um embate ao vivo com o bolsonarista, que ficou ofendido com uma pergunta feita pelo apresentador sobre as medidas de isolamento social decretadas por governadores e prefeitos. “Não sei se a gente volta”, disse Garcia ao ser confrontado (assista ao vídeo aqui).

Colombo continua no jornal Novo Dia, ao lado da jornalista Elisa Veeck. Garcia será mantido no quadro, segundo a CNN.

Fake news
Dados enviados à CPI do Genocídio revelam que o canal de Alexandre Garcia é um dos que mais faturam com divulgação de notícias falsas no Youtube.

A lista fornecida pela gigante de tecnologia a pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) mostra 385 vídeos que foram removidos pela plataforma ou deletados pelos usuários após o alerta de que o conteúdo.

O canal de Garcia aparece no topo, com 126 vídeos deletados. Antes de serem retirados do ar, no entanto, já haviam rendido US$ 13.632,48 de lucro (o equivalente a R$ 69.798,30).

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR