O que o brasileiro pensa?
11 de fevereiro de 2019, 16h08

Relembre: Boechat detona fala de Bolsonaro na sessão do impeachment

Ricardo Boechat, por inúmeras vezes, inverteu os papeis e se tornou a própria notícia por suas falas e declarações consideradas ácidas e polêmicas; sem travas, jornalista já disparou contra figuras que vão de Bolsonaro a Aécio Neves, de Cunha a Silas Malafaia; relembre

Reprodução

Falecido na manhã deste segunda-feira (11), aos 66 anos, após um trágico acidente de helicóptero em São Paulo, Ricardo Boechat, por inúmeras vezes, inverteu os papéis e, de jornalista, se tornou a própria notícia por suas falas consideradas ácidas e polêmicas.

Sem travas, Boechat tinha espaço, em todos os veículos que trabalhou, para emitir opiniões sobre os mais variados temas.

Em abril de 2016, após a votação do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados, por exemplo, o jornalista não poupou palavras contra o discurso saudoso à ditadura e ao torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra feito pelo então deputado Jair Bolsonaro.

“Registre-se a infinita capacidade do deputado Jair Bolsonaro de atrair para si os holofotes falando barbaridades sucessivamente (…) Torturadores não têm ideologia. Torturadores não têm lado. Não são contra ou pró-impeachment. Torturadores são apenas torturadores. É o tipo humano mais baixo que a natureza pode conceber. São covardes, são assassinos e não mereceriam, em momento algum, serem citados como exemplo. Muito menos numa casa Legislativa que carrega o apelido de casa do povo”, disse.

Em setembro do mesmo ano, quando o impeachment de Dilma foi confirmado pelo Senado, Boechat foi na direção oposta a de seus colegas da imprensa tradicional, que em maioria apoiavam a saída da ex-presidenta, e disparou: “É um dia que eu preferia que não existisse”.

Antes disso, em 2015, o jornalista se envolveu em uma de suas maiores polêmicas. Ao vivo no rádio, Boechat respondeu às provocações de Silas Malafaia e sugeriu que o pastor fosse “procurar uma rola”. “Ô, Malafaia, vai procurar uma rola, vai. Não me enche o saco. Você é um idiota, um paspalhão, um pilantra, tomador de grana de fiel, explorador da fé alheia. E agora vai querer me processar pelo que eu acabei de falar, porque é isso que você faz. Você gosta muito de palanque, e eu não vou te dar palanque porque você é um otário”.

A fala contra Malafaia, conhecido por seus posicionamentos homofóbicos, rendeu a Boechat até mesmo a simpatia do movimento LGBT e uma homenagem na Parada Gay de Brasília daquele ano.

Relembre, abaixo, outras declarações marcantes do jornalista.

“Kim Kataguiri resolveu virar o nosso Hitler, ofendendo pessoas que vão a exposição de arte, das quais ele não gosta”. Fala foi proferida em março de 2018. Na ocasião, Boechat comentava a tentativa de censura do MBL ao Queermuseu, em Porto Alegre. Relembre aqui.

“Se eu mandasse o Marcola no Jaburu, o senhor receberia? Essa de posar de vampiro puro, que só toma sangue não contaminado, não cola, Temer”. Em junho de 2016, Boechat criticou o fato do ex-presidente Michel Temer ter recebido para uma visita o ex-deputado, que atualmente está preso, Eduardo Cunha. Relembre aqui.

“É uma imagem melancólica e humilhante para o cidadão brasileiro ver tantas figuras com tantos crimes nas costas reunidas ali, sem que a polícia comparecesse para fazer a sua parte”. Na ocasião, em março de 2016, Boechat lamentava o rompimento do PMDB com o governo de Dilma Rousseff. Relembre aqui.

“Aécio, quando é sua vez, você cala a boca”. Boechat, em março de 2016, criticou o silêncio de Aécio Neves sobre delações em que era citado. Relembre aqui.

“Em concurso de cérebros, pitbull vence o governador”. A fala era uma crítica ao ex-governador do Paraná, Beto Richa, feita em abril de 2015. Relembre aqui.

“Choro de derrotado”Foi assim que Boechat se referiu às movimentações de Aécio Neves contra o resultado das eleições de 2014 que Dilma saiu vitoriosa. Relembre aqui.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum