Imprensa livre e independente
23 de maio de 2019, 21h54

Ministério Público do Trabalho recebe denúncia de 25 casos de assédio sexual e racismo no McDonald’s

Os casos foram entregues ao procurador Alberto Emiliano de Oliveira Neto, da Procuradoria Regional do Ministério Público do Trabalho no Paraná

Foto: Divulgação
O Ministério Público do Trabalho recebeu denúncia de assédio sexual e discriminação racial em 25 ex-funcionários da rede de McDonald’s no Brasil. Os casos foram entregues ao procurador Alberto Emiliano de Oliveira Neto, da Procuradoria Regional do Ministério Público do Trabalho no Paraná. O documento, elaborado pela União Geral dos Trabalhadores (UGT), destaca que as evidências de assédio sexual e de discriminação racial demonstram um padrão sistemático de abuso dos direitos dos trabalhadores, que “requer a intervenção imediata do Ministério Público do Trabalho”. “Nossa denúncia trata de um alarmante e inaceitável padrão de assédio sexual e racial nos restaurantes McDonald’s no Brasil”,...

O Ministério Público do Trabalho recebeu denúncia de assédio sexual e discriminação racial em 25 ex-funcionários da rede de McDonald’s no Brasil. Os casos foram entregues ao procurador Alberto Emiliano de Oliveira Neto, da Procuradoria Regional do Ministério Público do Trabalho no Paraná.

O documento, elaborado pela União Geral dos Trabalhadores (UGT), destaca que as evidências de assédio sexual e de discriminação racial demonstram um padrão sistemático de abuso dos direitos dos trabalhadores, que “requer a intervenção imediata do Ministério Público do Trabalho”.

“Nossa denúncia trata de um alarmante e inaceitável padrão de assédio sexual e racial nos restaurantes McDonald’s no Brasil”, alega o presidente da UGT, Ricardo Patah.

“Agradecemos as Ministério Público do Trabalho por olhar com atenção para este caso, e esperamos que o McDonald’s tome medidas imediatamente para assegurar um local de trabalho livre desse tipo horrível de assédio sexual e racial, que demonstra ser muito comum em suas dependências”, acrescenta.

Na denúncia há o caso de um jovem, que, segundo ele, foi assediado por um colega de trabalho que exibia fotos nu e fazia comentários, como “já pensou em um desses na sua cama”, “vamos a um motelzinho” ou “se ficar comigo vai ter privilégios”.

Veja também:  Glenn Greenwald diz que senadores do PSL fogem e desafia a fazerem acusações "na cara"

Além disso, ele afirma que também era assediado por uma atendente, e que contou ao gerente de sua unidade, mas ele não fez nada para coibir as ações, segundo o jovem.

Em outra denúncia, uma jovem declarou que o coordenador da unidade a abraçou em inúmeras oportunidades, fez carícias em seu corpo e passou a mão em suas “partes íntimas”, tendo seguido a funcionária ao banheiro e a intimidado com “convites maliciosos”.

Outra jovem alega que foi abordada pelo gerente no vestiário, quando estava de sutiã, e que ele disse que ela tinha os seios “durinhos”. Mais tarde, ele a avisou de que ela teria de “dar algo em troca” se quisesse subir de cargo.

Em relação aos casos de racismo, ex-funcionários reclamam de terem sido chamados de “burros”, “neguinha”, “macaca”, “negro”, “preto”, “negrinha cacheta”, “cabelo duro”, entre outras ofensas, em alguns casos ne frente de clientes da loja.

De acordo com Ricardo Patah, as denúncias indicam evidências de conduta semelhante em várias lojas do McDonald’s no país.

Veja também:  Nos EUA, republicano impede que jornalista cubra campanha eleitoral por ser mulher desacompanhada

“Ainda estamos efetuando levantamentos de ações individuais envolvendo assédio sexual e racial em outros estados da federação. Esperamos que o Ministério Público do Trabalho tenha uma atuação firme diante desses casos, porque é bem possível que eles sejam apenas a ponta do iceberg de um problema sistêmico ou, até mesmo, estrutural do McDonald’s”, completa Patah.

Posicionamento do McDonald´s

A Fórum entrou em contato com a assessoria de imprensa do McDonald´s solicitando um posicionamento da empresa, que enviou a seguinte nota:

“A Arcos Dorados, operadora da marca McDonald’s no Brasil, reitera que não tolera nenhuma forma de discriminação ou assédio de qualquer natureza. A empresa também reafirma seu compromisso de respeito e de cumprimento da legislação trabalhista, além de proporcionar condições adequadas de trabalho a todos os seus empregados. Eles, inclusive, recebem treinamentos do Código de Conduta para os Negócios, em que são instruídos a agir de maneira responsável e respeitando as regras da companhia e de convivência. Os funcionários têm à disposição uma ‘Linha Ética’, por meio da qual eles podem informar sobre situações que não estão alinhadas às normas de conduta. As manifestações podem ser feitas por meio de canais como 0800, internet e aplicativos específicos, com a garantia de tratamento confidencial e profissional. A empresa, como sempre, está à disposição das autoridades para esclarecer suas práticas”.

Veja também:  Coordenador geral do Gaeco do Paraná é acusado de assédio sexual

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum