Imprensa livre e independente
06 de fevereiro de 2019, 07h15

Ministro da Educação se retrata com a mãe de Cazuza e diz que mídia “tenta enganar a população”

Vélez-Rodriguez disse que "desfez equívoco" de atribuir frase do Casseta & Planeta a Cazuza e que mídia quer transformar em "ato político" até "citação errônea"

Ministro da Educação e Lucinha, mãe de Cazuza (Reprodução)
O ministro da Educação, Ricardo Vélez-Rodriguez, que atribuiu uma frase do programa humorístico Casseta & Planeta ao cantor Cazuza, morto em 1999, disse nesta terça-feira (5) em sua conta no Twitter que ligou para a mãe do artista para desfazer o equívoco. “Liguei para Lucinha Araújo, mãe de Cazuza, para desfazer o equívoco de uma resposta que dei atribuindo a ele frase de um programa humorístico. A conversa foi tocante e combinamos uma visita a ela quando eu for ao Rio”, tuitou, complementando que “o amor do coração de uma mãe por seu filho é algo valoroso”. Liguei para Lucinha...

O ministro da Educação, Ricardo Vélez-Rodriguez, que atribuiu uma frase do programa humorístico Casseta & Planeta ao cantor Cazuza, morto em 1999, disse nesta terça-feira (5) em sua conta no Twitter que ligou para a mãe do artista para desfazer o equívoco.

“Liguei para Lucinha Araújo, mãe de Cazuza, para desfazer o equívoco de uma resposta que dei atribuindo a ele frase de um programa humorístico. A conversa foi tocante e combinamos uma visita a ela quando eu for ao Rio”, tuitou, complementando que “o amor do coração de uma mãe por seu filho é algo valoroso”.

Em entrevista à Veja, Vélez-Rodriguez disse que Cazuza “pregava que liberdade é passar a mão no guarda”. A frase dita pelo ministro, na verdade – que na versão original incluía a palavra “bunda” — foi feita pela turma do humorístico “Casseta & Planeta” nos anos 1980.

Veja também:  Queiroz, assessor de Bolsonaros, teria matado duas pessoas e tem BO por agressão à esposa, revela revista Veja

Em carta, Lucinha disse que considera “inadmissível uma pessoa, ocupando o cargo que ocupa, não ter a preocupação de, sem compromisso com a verdade, citar uma pessoa pública” e pediu retratação pública do ministro.

Depois de publicar a retratação, o ministro voltou ao Twitter para atacar a mídia, dizendo que “segue com manobras de esquivar-se dos fatos, descontextualizando minhas declarações e tentando enganar a população”. “Até mesmo equívoco simples e bobo, como uma citação errônea, transforma-se em ato político”, tuitou.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum