Imprensa livre e independente
16 de setembro de 2017, 09h41

Mônica Iozzi fala de assédio de ACM Neto

Atriz revela que foi entrevistar o deputado e ele segurou em sua cintura antes de responder a uma pergunta. “Dei um tapa na mão dele”.

Atriz revela que foi entrevistar o deputado e ele segurou em sua cintura antes de responder a uma pergunta. “Dei um tapa na mão dele”. Da Redação* Para se descobrir feminista, Mônica Iozzi passou por uma experiência bem desagradável. Ela revelou que sofreu assédio do deputado federal ACM Neto. “Fui entrevistar o deputado ACM Neto e ele pegou na minha cintura antes de responder a uma pergunta. Fiquei com tanta raiva que fiquei vermelha. Dei um tapa na mão dele e perguntei o que ele estava fazendo. Ele disse que estava tentando me deixar mais à vontade”. A atriz e...

Atriz revela que foi entrevistar o deputado e ele segurou em sua cintura antes de responder a uma pergunta. “Dei um tapa na mão dele”.

Da Redação*

Para se descobrir feminista, Mônica Iozzi passou por uma experiência bem desagradável. Ela revelou que sofreu assédio do deputado federal ACM Neto. “Fui entrevistar o deputado ACM Neto e ele pegou na minha cintura antes de responder a uma pergunta. Fiquei com tanta raiva que fiquei vermelha. Dei um tapa na mão dele e perguntei o que ele estava fazendo. Ele disse que estava tentando me deixar mais à vontade”.

A atriz e humorista dividiu com uma plateia lotada, na Casa TPM, os caminhos que a fizeram se descobrir feminista e chamou atenção para a violência contra as mulheres no Brasil. “Somos o quinto país do mundo que mais mata mulheres, morrem mais mulheres aqui do que na guerra da Síria”.

*Com informações da revista Trip e do Brasil 247

Foto: Reprodução/Facebook

Veja também:  Em SP, promotor tenta ligar movimentos de moradia ao PCC

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum