Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

19 de junho de 2019, 12h16

Moro se esquiva de pedido para liberar arquivos salvos na nuvem do Telegram

De acordo com a política de privacidade do Telegram há possibilidade de restaurar o conteúdo presente na nuvem, mesmo que tenha sido apagado do aparelho

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro (Agência Senado)

Durante audiência pública na manhã desta quarta-feira (19) na CCJ do Senado, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, foi questionado por diversos congressistas se não seria o caso de ele pedir para Deltan Dallagnol ou mesmo ao Telegram para que fossem liberadas as mensagens e, enfim, se tirasse a dúvida sobre a autenticidade do conteúdo. Em todas as ocasiões o ministro esquivou-se de responder e não tocou no assunto.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Questionado se ele poderia solicitar ao Telegram as mensagem que ficam no servidor, ele negou que o conteúdo esteja guardado na “nuvem”.

Porém, a própria política de privacidade do Telegram diz o contrário: que há sim possibilidade de restaurar o conteúdo presente na nuvem, conforme registrado pelo jornalista Inacio Vieira em seu Twitter.

O Telegram ganhou um recurso de “undo”, permitindo desfazer alguma coisa referente ao histórico de mensagens apagadas. Ou seja, é possível recuperar. O aplicativo fez uma mudança e, agora, quando você excluir um bate-papo ou limpar o histórico, receberá um pedido de confirmação e uma opção para restaurar tudo.

Veja também:  Entidades repudiam decisão de Bolsonaro que exclui sociedade civil do Conselho Nacional de Drogas

Moro, sempre que pode, repete que a divulgação das conversas pelo site The Intercept são repletas de sensacionalismo e sem a devida contextualização. Repete também, sempre, que não pode reconhecer a veracidade das mensagens que lhe são atribuídas.

Porém, na oportunidade que tem de tirar dúvidas sobre autenticidade do conteúdo, se nega a compartilhar o inteiro teor das mensagens.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum