Imprensa livre e independente
10 de julho de 2019, 08h39

Morre o jornalista Paulo Henrique Amorim

O jornalista escrevia para diversos jornais e revistas do país e era proprietário do blog 'Conversa Afiada'

Foto: Divulgação
Morreu na manhã desta quarta-feira, 10, aos 77 anos, em São Paulo, Após sofrer um infarto fulminante, o jornalista Paulo Henrique Amorim. O também apresentador atua no ramo de jornalismo desde 1961. Atualmente, escreve para diversos jornais e revistas do país, e era proprietário do blog ‘Conversa Afiada’. Paulo Henrique Amorim foi afastado, no ultimo dia 24 de junho, do programa ‘Domingo Espetacular’, da TV Record, atração comandada por ele há 14 anos. A Record confirmou a informação em nota, afirmando que o jornalista “permanecerá na emissora à disposição para novos projetos”. Paulo Henrique Amorim tem contrato com a Record...

Morreu na manhã desta quarta-feira, 10, aos 77 anos, em São Paulo, Após sofrer um infarto fulminante, o jornalista Paulo Henrique Amorim.

O também apresentador atua no ramo de jornalismo desde 1961. Atualmente, escreve para diversos jornais e revistas do país, e era proprietário do blog ‘Conversa Afiada’.

Paulo Henrique Amorim foi afastado, no ultimo dia 24 de junho, do programa ‘Domingo Espetacular’, da TV Record, atração comandada por ele há 14 anos.

A Record confirmou a informação em nota, afirmando que o jornalista “permanecerá na emissora à disposição para novos projetos”. Paulo Henrique Amorim tem contrato com a Record até 2021 e, segundo Castro, não será demitido.

Confira a nota divulgada pela Record abaixo:

“O Domingo Espetacular, a partir deste domingo, 30/06, será apresentado por Patrícia Costa e Eduardo Ribeiro.

Paulo Henrique Amorim deixa o programa e permanece na emissora à disposição para novos projetos.

As mudanças fazem parte do processo de reformulação do jornalismo da Record TV, que está sendo implementado pelo vice-presidente de jornalismo da Record TV, Antonio Guerreiro, desde janeiro deste ano.”

Perseguição

Veja também:  Bolsonaro ataca Flávio Dino e João Azevêdo, governadores do Maranhão e da Paraíba

Vários jornalistas e apresentadores que assumem uma postura crítica em relação ao governo de Jair Bolsonaro começam a sofrer perseguições e represálias dentro dos locais de trabalho. Primeiro foi o historiador e comentarista político, Marco Antonio Villa, que anunciou neta segunda-feira (24) sua saída da Jovem Pan, após ter sido suspenso por 30 dias, por críticas ao presidente.

Depois foi Raquel Sheherazade e todo o departamento de jornalismo do SBT, ameaçados de demissão por pressão do empresário Luciano Hang, dono da Havan e um dos principais patrocinadores da emissora.

Mordaz e afiado, Paulo Henrique Amorim passou por emissoras como TV Manchete, TV Globo, TV Bandeirantes, onde apresentou o Jornal da Band, e TV Cultura. Foi um crítico de primeira hora do presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e seu governo. Abaixo o seu último tuíte, postado apenas oito horas antes de sua morte:

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum