Imprensa livre e independente
12 de agosto de 2016, 09h45

Morre soldado da Força Nacional baleado no Rio de Janeiro

Hélio Andrade e outros dois soldados foram recebidos a tiros ao errarem acesso à linha vermelha e entrarem na Vila do João, no Complexo da Maré.

Hélio Andrade e outros dois soldados foram recebidos a tiros ao errarem acesso à linha vermelha e entrarem na Vila do João, no Complexo da Maré Por Matheus Moreira O policial militar Hélio Andrade, recebido a tiros na entrada da Vila do João, uma das favelas do Complexo da Maré dominadas pelo tráfico no Rio de Janeiro, foi baleado e levado ao hospital, onde morreu na noite desta quinta-feira (11). A equipe da Força Nacional errou acesso à linha vermelha e entrou na vila na tarde de quarta-feira (10). Eram três soldados ao todo. Com o ataque ao carro da corporação, um deles ficou...

Hélio Andrade e outros dois soldados foram recebidos a tiros ao errarem acesso à linha vermelha e entrarem na Vila do João, no Complexo da Maré

Por Matheus Moreira

O policial militar Hélio Andrade, recebido a tiros na entrada da Vila do João, uma das favelas do Complexo da Maré dominadas pelo tráfico no Rio de Janeiro, foi baleado e levado ao hospital, onde morreu na noite desta quinta-feira (11).

A equipe da Força Nacional errou acesso à linha vermelha e entrou na vila na tarde de quarta-feira (10). Eram três soldados ao todo. Com o ataque ao carro da corporação, um deles ficou ferido, outro não teve lesões e Hélio foi alvejado na cabeça.

O soldado tinha 35 anos e estava trabalhando pela segunda vez em um megaevento na capital carioca. A sua primeira experiência foi em 2014. Cerca de 6 mil agentes da Força Nacional, de vários estados, foram enviados ao Rio para reforçar a segurança durante os Jogos Olímpicos.

Veja também:  Deltan Dallagnol tentou montar empresa de palestras para faturar com a Lava-Jato

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum