24J: mestre Moa do Katendê, assassinado por bolsonarista em 2018, é homenageado em Salvador

Manifestantes da capital baiana ainda lançaram a "CPI Popular" contra Bolsonaro; confira

Torcedores do Bahia que participam do ato 24J contra o presidente Jair Bolsonaro em Salvador (BA), neste sábado (24), fizeram uma homenagem ao mestre Moa do Katendê, liderança cultural e mestre de capoeira que foi assassinado por um bolsonarista em meio à campanha presidencial de outubro de 2018.

Os manifestantes estenderam uma grande bandeira com o rosto de mestre Moa estampado.

O capoeirista foi assassinado a facadas em um bar de Salvador, em outubro de 2018, após dizer a um bolsonarista que votou em Fernando Haddad (PT). O assassino,  Paulo Sérgio Ferreira de Santana, está preso.

Confira a homenagem.

CPI Popular

O ato de Salvador reuniu milhares de pessoas em prol do impeachment de Jair Bolsonaro, que marcharam do Largo de Campo Grande até a Praça Municipal. Trata-se de um entre os mais de 400 protestos que ocorrem contra o presidente em cidades do Brasil e do exterior.

Ao longo da manifestação, o Coletivo de Ação Fora Bolsonaro nas Ruas lançou uma “CPI Popular” contra Bolsonaro. Segundo os organizadores, o grupo se reunirá uma vez por semana, na Praça da Piedade, para mostrar aos pedestres que transitam pela região todos os retrocessos do governo como a política de privatizações, os prejuízos da Reforma Administrativa, além do atraso na aquisição das vacinas, que acelerou o número de mortes por Covid no Brasil.

Confira, abaixo, algumas imagens do protesto.

Publicidade
Foto: Gabriel Carvalho
Foto: Gabriel Carvalho
Foto: Gabriel Carvalho

Publicidade

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR