Fórumcast #20
13 de agosto de 2019, 19h02

Atos pela educação são marcados por homenagens a Fernando Santa Cruz

Vítima de desaparecimento forçado durante a ditadura militar, Fernando Santa Cruz foi lembrado nos atos do #Tsunami13Agosto; ele é pai de Felipe Santa Cruz, atual presidente da OAB que vem sendo alvo de ataques de Jair Bolsonaro

Foto: Rebeca Balchior/CUCA da UNE

Fernando Santa Cruz, vítima de desaparecimento forçado durante o regime militar e declarado como morto apenas em 2019, recebeu homenagens dos estudantes nas manifestações desta terça-feira (13), dia marcado por atos contra as medidas de desmonte do governo Bolsonaro na Educação, como os cortes orçamentários e o programa Future-se.

Fernando foi alvo de ataques por parte do presidente Jair Bolsonaro direcionados para o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, filho do desaparecido. “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade”, disse Bolsonaro. O rapaz, que tinha 26 anos, desapareceu em 23 de fevereiro de 1973, foi levado à Casa da Morte em Petrópolis, e teve seu corpo incinerado em usina de açúcar.

O Diretório Central de Estudantes da Universidade Federal Fluminense, batizado de Fernando Santa Cruz, fez uma homenagem durante a concentração para o ato do Rio de Janeiro. Estudantes levantaram placas de rua com o nome do desaparecido e cartazes em defesa da memória, verdade e justiça.

Rosalina Santa Cruz, irmã de Fernando, presente no ato do Rio de Janeiro | Foto: Rebeca Belchior/CUCA da UNE

Em São Paulo, o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Montalvão, também fez uma homenagem ao militante morto pela ditadura militar e vestiu uma camisa com o rosto de Fernando estampado.

Veja também:  Dimenstein critica Joice Hasselmann: "Só no Brasil jornalista picareta imagina governar maior cidade do país"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum