“Bolsocaro”: Ativistas espalham cartazes contra aumento de preços dos alimentos

Diversos pontos de São Paulo amanheceram com mensagens cobrando o presidente pela alta em itens como arroz e carne; segundo o Dieese, o patamar dos preços mudou e cesta básica não deve voltar ao que era

Cerca de 20 pontos da cidade de São Paulo amanheceram neste domingo (28) com lambe-lambes criticando o aumento dos preços dos alimentos no governo do presidente Jair Bolsonaro.

O jornalista Bruno Torturra, editor-chefe do programa Greg News, usou as redes sociais para compartilhar uma das colagens que foram feitas na capital, na Avenida Paulista.

Os cartazes se assemelham a anúncios de preço de supermercado e destacam a alta do preço de itens como arroz, carne, gás de cozinha, cesta básica e gasolina. “Tá muito caro. Tá na conta do Bolsonaro. Essa conta não é nossa. O Brasil não merece isso”, diz uma das mensagens da campanha “Bolsocaro”.

O usuário Michel @canhotins divulgou ainda uma foto de outro ponto. “Rua Vergueiro perto do Metrô Liberdade temos o BOLSOCARO. Tá tudo caro, e a culpa é de Bolsonaro”, tuitou. O registro foi feito pelo fotógrafo Rudá Melo.

Segundo o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a cesta básica subiu até 33% no ano passado e consome maior fatia do salário mínimo em 12 anos. “Houve uma mudança de patamar de preços, não tem volta”, disse a economista Patrícia Lino Costa, supervisora de pesquisas do Dieese, à jornalista Fabíola Salani, na Fórum.

CONFIRA AQUI AS ARTES UTILIZADAS NOS LAMBE-LAMBES

Confira a repercussão nas redes:

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e latino-americanista convicto, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum América Latina

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR