Brasileiros no exterior fazem campanha para ajudar populações vulneráveis no Brasil

A ideia é levantar fundos para auxiliar os movimentos populares no enfrentamento às mazelas acentuadas pela pandemia

Foi lançada, na terça-feira (1), a campanha Solidariedade Internacional com o Brasil – Apoie os Movimentos na Linha de Frente Contra a Covid-19.  

A iniciativa de solidariedade às populações vulneráveis no Brasil parte de coletivos formados por brasileiros que vivem no Canadá, nos Estados Unidos e em vários países da Europa, em articulação com movimentos sociais brasileiros, com o intuito de fortalecer a luta dos diversos grupos que trabalham no enfrentamento aos efeitos nefastos da Covid-19 no país.

A ideia inicial é levantar fundos, a princípio no valor de 50 mil dólares canadenses (cerca de R$ 180 mil), que serão destinados a organizações brasileiras como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), a Coordenação Nacional da Articulação das Comunidades Quilombolas (CONAQ), a Rede Nacional dos Povos e Comunidades Tradicionais, o Mutirão do Bem-Viver, a União dos Centros de Educação Popular dos Trabalhadores Negros e Negras (Uneafro), o Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Sem-Teto (MTST) e o Movimento Periferia Vivapop.

Todos esses movimentos têm históricas ligações com populações vulneráveis no país, que vivem em aldeias, quilombos, favelas, no campo e nas periferias das grandes cidades. A pandemia acentuou ainda mais o desamparo do poder público, falta emprego e falta comida, faltam itens básicos de proteção contra o contágio e estão, todos, às margens do sistema público de saúde.

Os recursos serão encaminhados pela organização de solidariedade internacional, Comitê para os Direitos Humanos na América Latina (CDHAL), com sede em Montreal, Canadá. “A única saída para esta crise econômica, política, e agora sanitária é a auto-organização social. A campanha visa estimular e honrar esses métodos ancestrais de resistência, pois para dar fim a esse governo nós precisamos sobreviver a ele”, diz Alessandra Devulsky, representante do Coletivo Brasil-Montréal e professora da faculdade de direito da UQAM.

O movimento também tem como intuito dar visibilidade internacional à luta dos movimentos populares brasileiros e às populações que se encontram em extrema vulnerabilidade durante a pandemia.

A mobilização, com forte penetração nas redes sociais, vai até o dia 15 de outubro.

Avatar de Lelê Teles

Lelê Teles

Formado pela Universidade de Brasília, Lelê Teles é jornalista, roteirista e publicitário. É roteirista do programa Estação Periferia (TV Brasil) e da série De Quebrada em Quebrada (Prodav 09). Sua novela, Lagoas, foi premiada na Primeira Bienal de Cultura da UNE. Discípulo do Mestre Cafuna, prega o cafunismo, que é um lenitivo para a midiotia e cura para os midiotas.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR