Cientistas sairão às ruas em protesto contra cortes do governo Bolsonaro

Mobilização contra os cortes no orçamento da Ciência é puxada por entidades da área e ocorrerá de maneira física e virtual, em todo o país, no dia 26 de outubro; saiba mais

Em resposta ao corte de recursos destinados à Ciência promovido pelo governo Bolsonaro, cientistas, estudantes e pesquisadores farão uma mobilização no próximo dia 26 de outubro em diferentes regiões do país. Serão atividades virtuais e presenciais, que incluem protestos e passeatas nas ruas.

O Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes, havia solicitado ao Congresso corte de 92% dos recursos destinados, em 2021, a bolsas e apoio à pesquisa. Parlamentares acataram e aprovaram o projeto no dia 7 de outubro e, desta forma, a Ciência ficará com somente R$ 55 milhões, o que representa 8% do previsto inicialmente.

A mobilização é convocada pela Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG), Iniciativa para a Ciência e Tecnologia no Parlamento (ICTP.br), Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e outras entidades. Essas organizações se reuniram na segunda-feira (18) e definiram as atividades e protestos a serem realizados no dia 26 de outubro.

“O motivo da mobilização é pressionar o governo e os parlamentares pela recomposição do orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Devido a uma manobra do Ministério da Economia, realizada há duas semanas, durante a aprovação do Projeto de Lei (PLN) 16, o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) teve R$ 2,7 bilhões bloqueados. O FNDCT é hoje a principal fonte de financiamento da pesquisa científica no país e o contingenciamento de suas verbas prejudicou principalmente o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que perdeu mais de R$ 600 milhões de seu orçamento”, diz comunicado veiculado no Jornal da Ciência, publicação da SBPC.

Flávia Calé, presidente da ANPG, diz que a intenção é que os protestos pressionem os deputados e senadores a recompor o orçamento. “Nossa expectativa é reverter os cortes via parlamento”, afirma.

Confira abaixo a agenda da mobilização

  • Belo Horizonte (MG) — O ato reunirá entidades da comunidade científica do estado na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em horário ainda a definir;
  • Natal (RN) — Haverá ato público em defesa da ciência às 14h30 no Recanto Estudantil do Diretório de Estudantes (DCE) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN);
  • Rio de Janeiro (RJ) — O encontro acontecerá às 19h com uma Projeção nos Arcos da Lapa;
  • Salvador (BA) — Haverá ato reunindo estudantes e professores da Universidade Federal da Bahia (UFBA), na Reitoria, às 9h;
  • São Paulo (SP) — Concentração às 16h em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP) na Avenida Paulista;
  • Teresina (PI) — As instituições representativas da comunidade científica e acadêmica no estado (APG, AduFPI e outras) vão se encontrar às 9h no coreto em frente a Reitoria da Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Haverá também um ato virtual, às 14 horas, com transmissão pelo canal da ANPG no YouTube, que está sendo organizado com a ICTP.br para trazer parlamentares e representantes de outras entidades. Os eventos acima são confirmados, porém, segundo a ANPG, estão sendo organizados atos em outros estados e universidades. A programação completa será divulgada até sexta-feira (22).

Publicidade
Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_